Crónicas de uma Leitora: Junho 2016

quarta-feira, 29 de junho de 2016

A Rapariga do Calendário | Audrey Carlan | Planeta | Opinião

Sem comentários:


Mia Saunders precisa de dinheiro. De muito dinheiro. Tem um ano para pagar ao agiota que ameaça a vida do pai e exige o reembolso de uma enorme dívida de jogo. Um milhão de dólares para ser exacto.
A sua missão é simples: trabalhar como acompanhante de luxo para a empresa da tia, com sede em Los Angeles, e pagar mensalmente uma parte da dívida. Passar um mês com um homem rico, com o qual não é obrigada a ir para a cama se não quiser. Dinheiro fácil.
A curvilínea morena amante de motas tem um plano: entrar no jogo, conseguir o dinheiro e voltar a sair. Parte do plano é manter o coração fechado a sete chaves e os olhos no objectivo.
Pelo menos é como espera que corra.

Sexo, Amor e segredos. Uma história que a fará sonhar.





 Há muito tempo que não lia eróticos, julgo que há cerca de dois anos que não lia nada deste género mas este livro suscitou-me um interesse especial que confesso que não sei bem porquê. Tinha algum receio que na realidade Mia se tornasse uma prostituta de luxo mas não é isso que acontece o que me deixou bastante mais aliviada apesar de algures ali no meio ter retido a respiração com uma situação.

A situação de Mia é complicada, o pai está em coma por ter sido sovado a mando do agiota a quem deve muito dinheiro, isto leva-a a procurar a empresa da tia, uma empresa de acompanhantes de luxo que a levará a ganhar o suficiente para saldar a dívida do pai mas no espaço de um ano. É assim que se torna A Rapariga do Calendário. 

Claro que o início é um pouco cliché, moça pobre que precisa desesperadamente de dinheiro, acaba por se meter numa profissão duvidosa e envolver-se com milionário(s) atraente(s). Porém os clichés acabam aqui.

A narrativa começa com Mia a ser um pouco lamuriosa mas depressa arregaça as mangas e vai à luta, decide levar com alguma leveza a vida que terá nos próximos 12 meses e aproveitar o que de bom a vida e estes homens lhe poderão dar. Ao longo de todo o livro vamos percebendo que a protagonista teve uma vida difícil por culpa de uma mãe que abandonou a casa e um pai alcoólico e com o vício do jogo principalmente porque teve criar a irmã 5 anos mais nova. Quando percebemos a vida complicada que a jovem tem tido só podemos apoiar a sua decisão de aproveitar ao máximo a vida no próximo ano, claro que ajuda que os clientes sejam autênticas brasas.

Janeiro começa bem, Wes é fenomenal, tive muito receio que se transformasse num daqueles milionários de passado obscuro e com preferências sexuais fora do comum mas aos poucos esse receio foi-se dissipando. Tive algum receio que se apaixonassem, Wes pagasse a dívida que Mia ficasse com ele anulando assim todo o objectivo inicial do livro.

Atenção sou totalmente "Team Wes" mas fiquei agradavelmente surpreendida por Mia ver o seu tempo com o milionário como uma lição e passar para o "Senhor Fevereiro".

A partir daqui vamos ver a protagonista a evoluir, vai perceber que cada homem lhe poderá trazer um ensinamento e podemos perceber um amadurecimento da personagem ao longo de toda a narrativa. Março foi deliciosamente surpreendente e amei o rumo que a autora deu à história foi um mês fenomenal.

Mesmo tendo uma situação dramática de fundo A Rapariga do Calendário é uma história sobre auto-conhecimento, tem sexo q.b. com descrições bastante explícitas mas achei que estavam tão bem enquadradas na narrativa que simplesmente fluem naturalmente.

Diferente e refrescante com algum romantismo e cenas bastante escaldantes este é sem dúvida uma série que não vou perder e que tenho a certeza que fará as delicias dos amantes do género romance erótico. A verdade é que poderia continuar a falar interminavelmente acerca de quanto adorei este livro mas acho que já me alonguei por isso só posso dizer uma coisa: ADOREI!

(Mal posso esperar pelo segundo! E o terceiro e o quarto... felizmente a Planeta publicará o segundo já em Julho e os outros dois em Setembro e Outubro. Que sorte!)





Este exemplar foi gentilmente cedido em troca de uma opinião honesta

terça-feira, 28 de junho de 2016

Cinema | Estreias da Semana

Sem comentários:

Para ver Trailer TOQUE na Imagem
A Minha Vaca é uma Estrela

M12
Título Original: La Vache
Realizador: Mohamed Hamidi
Com: Fatsah Bouyahmed, Lambert Wilson, Jamel Debbouze
Género: Aventura, Comédia
País: França
Ano: 2016
Duração: 91 min.

Sinopse:
Um agricultor argelino que dedicou a vida a cuidar de Jacqueline, a sua vaca, tem como sonho ir ao Salão Internacional de Agricultura, em Paris (França). Um dia, recebe finalmente o convite e põe-se a caminho, por barco até Marselha e – por ter gasto todo o dinheiro que tinha na viagem – a pé a partir daí, sempre com a vaca ao lado, a cruzar-se com todo o tipo de pessoas da urbanidade francesa que, escusado será dizer, estranham a situação toda. A meio, é descoberto pela imprensa e aparece na televisão, tornando-se um fenómeno junto do público.



M12
Título Original: Ahora o Nunca
Realizador: Maria Ripoli
Com: María Valverde, Clara Lago, Dani Rovira
Género: Comédia
País: Espanhol
Ano: 2016
Duração: 91 min.

Sinopse:
Depois de vários anos de namoro, os espanhóis Eva e Alex estão decididos a oficializar a sua relação. Para que tudo seja perfeito, combinam a cerimónia numa pequena povoação de Inglaterra, o lugar onde se viram pela primeira vez e se apaixonaram irremediavelmente. Tudo parece correr bem com os preparativos para a festa e todos se sentem felizes com o aproximar da data. Mas quando os controladores de tráfego aéreo decidem fazer greve, impedindo que o noivo e os seus convidados se encontrem com a noiva e o resto da família, Eva e Alex entram numa espiral de aborrecimentos que quase os faz querer partir para o divórcio… antes mesmo de se casarem. Assim, o que à primeira vista parecia saído de um filme romântico depressa se transforma numa espécie de “thriller” psicológico...



M12
Título Original: Love and Friendship
Realizador: Whit Stillman
Com: Kate Beckinsale, Chloë Sevigny, Xavier Samuel
Género: Romance, Drama
País: IRL/FRA/EUA/HOL
Ano: 2016
Duração: 92 min.

Sinopse:
Whit Stillman, que nos anos 1990, registou, em filmes como Metropolitan, Barcelona e "Last Days of Disco", episódios da vida da jovem alta burguesia urbana nova-iorquina (e não só), está de volta para se atirar a uma adaptação de um romance epistolar pouco conhecido de Jane Austen – à qual o trabalho de Stillman muito deve –, Lady Susan. Paralelamente, também lançou uma versão em romance do filme. Isto depois de ter regressado após uma ausência de 13 anos em 2011 com Damsels in Distress, que não teve estreia comercial em Portugal. PUB Passado nos anos 1790, "Amor e Amizade" – o nome vem de outro livro de Austen – centra-se na pouco virtuosa e muito interesseira e egoísta viúva Lady Susan Vernon (Kate Beckinsale), que, para fugir aos rumores que andam a ser espalhados sobre a sua vida privada, vai passar uns tempos na propriedade dos sogros. Lá, procura marido para ela e para a filha.


Para ver Trailer TOQUE na Imagem
Central de Inteligência

M12
Título Original: Central Intelligence
Realizador: Rawson Marshall Thurber
Com: Dwayne Johnson, Aaron Paul, Amy Ryan, Kevin Hart
Género: Comédia
País: EUA
Ano: 2016
Duração: 107 min.

Sinopse:
De Rawson Marshall Thurber, o mesmo realizador de "Trip de Família" e "Uma Questão de... Bolas", esta comédia de acção centra-se em dois amigos de liceu que voltam a encontrar-se anos depois. O primeiro, interpretado por Dwayne "The Rock" Johnson, é Robbie Weirdicht, que era gozado na escola por excesso de peso e, com uma envergadura física muito diferente daquela que tinha na altura, se tornou agente da CIA. O segundo, Calvin Joyner, a quem é dada vida pelo cómico Kevin Hart, é hoje contabilista e era, dos tempos de liceu, dos poucos amigos de Weirdicht. O primeiro transforma o segundo num operativo da agência secreta...



M12
Título Original: La Tête Haute
Realizador: Emmanuelle Bercot
Com: Catherine Deneuve, Rod Paradot, Benoît Magimel, Sara Forestier
Género: Drama
País: França
Ano: 2015
Duração: 120 min.

Sinopse:
Vencedor de dois Césares, este filme da também actriz Emmanuelle Bercot passa-se num centro de reabilitação juvenil. Gira à volta de uma juíza e de um educador que tentam a todo custo ajudar um adolescente que está em conflito com tudo e todos, incluindo ele próprio, desde os seis anos. Isto mesmo que ele não queira ser salvo por eles. Bercot, cujo tio trabalhou em centros destes e passou por histórias muito parecidas, incluiu no elenco nomes como Catherine Deneuve ou Sara Forestier, além do estreante Rod Paradot e Benoît Magimel, conhecido por filmes como Pequenas Mentiras Entre Amigos, tendo sido ambos galardoados com Césares.


Para ver Trailer TOQUE na Imagem
Estado Livre de Jones

M12
Título Original: Free State of Jones
Realizador: Gary Ross
Com: Matthew McConaughey, Keri Russell, Gugu Mbatha-Raw
Género: Drama, Acção
País: EUA
Ano: 2016

Sinopse:
Newton Knight, um camponês pobre que nos anos 1860, em plena Guerra Civil Americana, liderou uma companhia que se revoltou contra o exército confederado, pelo qual antes lutava. Segundo a lenda, Knight tentou formar o seu próprio Estado, uma comunidade mestiça, e separar o condado de Jones do resto do Mississípi.


Para ver Trailer TOQUE na Imagem
Fritz Bauer: Agenda Secreta

M12
Título Original: Der Staat gegen Fritz Bauer
Realizador: Lars Kraume
Com: Rüdiger Klink, Burghart Klaußner, Andrej Kaminsky
Género: Drama
País: Alemanha
Ano: 2015
Duração: 105 min.

Sinopse:
No final dos anos 1950, Fritz Bauer foi o juiz e advogado que conseguiu levar antigos nazis como Adolf Eichmann à justiça, tendo ajudado na captura e tratado do julgamento e condenação de um dos principais arquitectos do Holocausto, que estava na altura a viver na Argentina.




M12
Título Original: Equals
Realizador: Drake Doremus
Com: Kristen Stewart, Nicholas Hoult, Guy Pearce
Género: Drama, Romance
País: EUA
Ano: 2016
Duração: 101 min.

Sinopse:
No mundo de "Iguais", uma distopia num futuro não muito distante, as pessoas vivem saudáveis, quase sem doenças, mas também sem qualquer tipo de emoção humana. Nem sequer compaixão. O filme de Drake Doremus, que em 2013 assinou "Um Novo Fôlego", foca-se em dois jovens que, infectados por uma doença, são uma excepção à regra e, sempre a esconderem daqueles que os rodeiam o facto de terem emoções, acabam por se apaixonar. Tudo se complica quando aparece uma cura, mas o amor entre os dois é ajudado por outras pessoas a sofrer da mesma condição clínica.

 


M12
Título Original: Olmo and the Seagull
Realizador: Petra Costa, Lea Glob
Com: Olivia Corsini, Serge Nicolai, Pancho Garcia Aguirre
Género: Drama
País: POR/DIN/SUE/BRA
Ano: 2015
Duração: 82 min.

Sinopse:
Entre a ficção e o documentário, esta obra de Petra Costa e Léa Glob é uma co-produção dinamarquesa, brasileira, portuguesa, francesa e sueca que se foca em Olivia Corsini, uma actriz do Thêatre du Soleil, em Paris (França), que se prepara para fazer de Arkadina na peça A Gaivota, de Tchekhov, num palco em Nova Iorque (EUA). Só que Olivia e o namorado, o colega Serge Nicolai, percebem que ela está grávida e isso complica todo o trabalho na peça, já que não convém que a protagonista tenha uma barriga grande. A própria gravidez não é, aliás, encarada de forma completamente pacífica... A ideia do filme é fazer uma viagem pela mente da actriz. Segmentos encenados misturam-se com o registo documental, não dando certezas ao espectador sobre se o que está a ver é ou não verdadeiro, e esbatendo as fronteiras entre a realidade e a representação.



M12
Título Original: Tangerine
Realizador: Sean Baker
Com: Kitana Kiki Rodriguez, Mya Taylor, Karren Karagulian
Género: Comédia Dramática
País: EUA
Ano: 2015
Duração: 88 min.

Sinopse:
Na véspera de natal, depois de sair da prisão, Sin-Dee Rella, uma prostituta transexual, encontra-se com a sua melhor amiga, Alexandra. Através desta, Sin-Dee Rella descobre que o seu namorado e chulo a anda a trair com outra uma mulher e decide partir furiosa à procura de ambos. A sua demanda leva-as através das várias subculturas de Los Angeles.


Nota: Pode haver alterações ou adiamento nas estreias da semana.

Fonte: Jornal Publico e Sapo Cinema

segunda-feira, 27 de junho de 2016

A Herdeira | Kiera Cass | Marcador | Opinião

Sem comentários:
A Princesa Eadlyn cresceu a ouvir histórias intermináveis de como a sua mãe e o seu pai se conheceram. Vinte anos antes, America Singer entrou na Seleção e conquistou o coração do Príncipe Maxon - e viveram felizes para sempre. 

Eadlyn sempre achou romântica esta história de encantar, mas não tem qualquer interesse em tentar repeti-la. Por si, adiaria o casamento tanto tempo quanto possível.
Mas a vida de uma princesa não é inteiramente sua e Eadlyn não pode escapar à sua própria Seleção - por mais fervorosamente que proteste. 

Eadlyn não espera que a sua história acabe em romance. Mas com o início da competição, um candidato poderá acabar por conquistar o coração da princesa, mostrando-lhe todas as possibilidades que se encontram à sua frente… e provando-lhe que viver feliz para sempre não é tão impossível como ela pensou.

A Herdeira é o quarto livro da série A Seleção.



Depois de ter lido a trilogia inicial em inglês não podia perder a oportunidade de ler a continuação, saber mais sobre America e Maxon e ao mesmo tempo acompanhar o percurso da sua filha mais velha, Eadlyn.

Confesso que sempre achei America uma personagem indecisa e por vezes irritante mas a maioria das vezes os seus receios tinham fundamentos e a trilogia distópica foi para mim mais um "conto de fadas" que uma distopia propriamente dita, algo que Kiera Cass falhou redondamente a fazer.

O que Cass não falhou foi em construir uma personagem feminina ainda mais irritante. Eadlyn é fútil, mimada, arrogante e egocêntrica e isso contrasta imenso tanto com a personalidade dos pais como dos próprios irmãos, incluindo o irmão gémeo. Isso foi provavelmente o que mais me espantou e incomodou, como é que America e Maxon têm filhos tão adoráveis e perspicazes como Ahren e Kaden e com tanto humor como Osten e depois a princesa herdeira, a futura rainha pode ser tão detestável.

Claro que Eadlyn não é só defeitos, não podemos esquecer que é uma jovem de 18 anos que foi criada para ser rainha e desde cedo sente o peso das suas responsabilidades nos ombros, porém toma isso muitas vezes como um castigo. A Seleção é algo que ela nunca faria e todo o processo é bastante penoso a postura perante os Selecionados é quase sempre muito arrogante e poucas vezes baixa a guardar mas quando o faz mostra que há a possibilidade de se tornar uma pessoa fantástica.

Acho que um dos aspectos mais interessantes desta série é a situação socio-económica e política de Illéa, Maxon conseguiu a igualdade entre todos através da abolição das castas porém não podemos esquecer que um povo acostumado a determinadas regras tem mais dificuldade em se adaptar a uma liberdade que não conhece. É desta forma que encontramos Illéa 20 anos depois, depois de rebeldes que lutavam pelo fim das castas temos agora motins das pessoas que são vítimas de discriminação, pessoas que devido à casta dos pais não conseguem encontrar trabalho, estudar na área desejada ou receber uma promoção que julgam merecida. Para acalmar a revolta Maxon e America decidem fazer uma nova Seleção. Distracção para o povo o que me parece de alguma forma (ou em muitas formas) errado.

E agora perguntam-me "mas se achas tudo isso porque deste 4*?" porque tal como disse adoro todo o universo político, económico e social e adoro ver a interação dos Selecionados com Eadlyn (mesmo que ela seja uma idiota a maior parte do tempo). Também porque adoro a escrita simples de Kiera Cass e porque as história dela se consomem compulsivamente.

Apesar de todos os defeitos apontados à futura rainha vemos que à medida que a narrativa evolui Eadlyn começa a perceber que grande parte do problema é ela e a sua personalidade reservada que o povo sente como sendo frieza e como se ela não se preocupasse. Haverá também dois confrontos em que lhe são ditas algumas verdades e é a partir daqui que espero que ela consiga amadurecer.

O final deixou-me de lágrimas nos olhos, verdade, outra vez mas é mais forte que eu e claro que fica tudo em aberto. CSe na trilogia inicial já sabíamos quem iria ganhar aqui é tudo uma incógnita e apesar de já ter os meus preferidos aguardo ansiosamente a conclusão desta série que me traz sentimentos tão controversos (não vou contar que já me spoilei toda e já sei com quem ela fica).

Quem leu os primeiros três livros não pode perder A Herdeira, porém mesmo que não tenham lido podem sem dúvida começar por aqui.

E já sabem que vai haver filme d'A Seleção? Mal posso esperar!




Este exemplar foi gentilmente cedido pela Marcador para opinião honesta

Capricho de Veludo | Loretta Chase | Opinião

1 comentário:




Capricho de Veludo
Loretta Chase
Tradução: Patrícia Xavier
Título Original: Vixen in Velvet
Editora: Edições Saída de Emergência
316 páginas










O corpete perfeito deve saber convidar ao seu desapertar… 

O charmoso Simon Fairfax, Marquês de Lisburne, aceitou regressar relutantemente a Londres para cumprir obrigações familiares. Quando conhece a fogosa modista Leonie Noirot, decide arranjar tempo para um jogo de sedução, mas Leonie é quem decididamente não tem tempo para ele. Está obcecada em transformar a insípida prima do Marquês, Lady Gladys, num cisne.
A cidade inteira conhece o talento de Leonie, mas o formoso Marquês está demasiado ocupado a tentar seduzi-la para conseguir apreciar o seu génio. A modista está determinada a ensinar-lhe uma lição, mas não será fácil concentrar-se na tarefa que tem em mãos e corre perigo de desviar-se do bom caminho… Conseguirá escapar às atenções insistentes do Marquês e operar uma transformação milagrosa?

Pela primeira vez depois de terminar a leitura de um livro da série, já foram editados 3, dei pulos de contente porque... Gostei do protagonista, gostei, gostei e gostei.
Não sei se será por ter o nome de Simon, normalmente protagonistas com este nome são bons personagens ou se depois da autora escrever 2 protagonistas meio "nhé", na minha opinião claro, conseguiu criar um maravilhoso.
Porém mais à frente falo um pouco mais dele.

A história deste livro, foi a meu ver um pouco mais fraca que as anteriores, até parece ser um contra senso da minha parte, quando dei 4,5* (mais que nos outros que dei 4*), mas... Também não sei se lhe chame a mais fraca ou a com menos "sumo", mais banal!
Leonie é a última das irmãs que ainda se encontra solteira, e neste momento tem todo o negócio nas suas mãos. Claro que a Marcelline continha a desenhar os vestidos, mas está mais afastada da loja por um determinado motivo, e Sophia encontra-se fora de Londres por causa do que se passou no livro anterior. Por essas razões o negócio fica ao cuidado de Leonie, a irmã mais racional, a irmã das contas, a mesma que se preocupa muito com as empregadas e com o futuro. E é com a responsabilidade de uma loja, que embarca da missão de transformar um patinho feio em cisne, e é no início dessa missão que conhece Simon de um modo muito peculiar, nascendo uma grande atracção entre eles, levando que... Hum! Queriam saber mas... eu não conto! Vão ler!

Simon! Simon e Simon... Que fofinho, que lindinho, que "cutxi, cutxi"! O primeiro homem nesta série, que não é presunçoso, que é inteligente sem ser arrogante, que é amoroso, que sente atracção pela mulher mas não é o seu único foco! Homem de família, que protege e se preocupa com os outros, com quem gosta! Gostei mesmo muito dele! Ah! Já me esquecia, no final há um pequeno pormenor, que ajuda a personagem a ser como é! O que será? Hum!
Leonie, a irmã cérebro mas que no fundo é tão impulsiva como as outras, não fugindo aos genes Noirot que lhe correm no sangue!
Mulher forte mas que no fundo se sente sozinha pois as suas irmãs construíram família, deixando-a sem o apoio que estava habituada, mas não se acovardou e levou em frente a loja, loja essa que era o seu maior sono ou era a único até...

Resumo, mesmo a história sendo um pouco mais "banal" que as dos livros anteriores, mesmo que Leonie seja diferente das irmãs, Simon fez subir a cotação do livro e levou-me a pensar que não me importava de um ter na minha vida, um ponto deveras importante, se me relembrar dos protagonistas anteriores.

Conclusão, comprem o livro e vão ter pela frente umas maravilhosas horas de leitura, vale muito a pena.

Boas Leituras

Culinária | Torricado de Bacalhau

Sem comentários:
Esta semana trago-vos uma receita da qual gosto muito (adoro bacalhau) e que aproveito a época das Tasquinhas para comer sempre: Torricado de Bacalhau.

Ingredientes (para 4 pessoas):
- 4 postas de bacalhau demolhado
- 2 pães de trigo
- alho
- azeite
- sal

Preparação (na brasa):
Asse o bacalhau e regue-o com azeite. Corte cada pão ao meio, faça pequenos golpes no miolo formando quadrados, com cuidado para não furar a côdea, esfregue um dente de alho e coloque-os na brasa. Quando estiver torrado tempere com sal e regue com azeite. Pode servir a metade do pão com a posta de bacalhau inteira ou desfiar o bacalhau em lascas com alho picado e azeite por cima.

A foto abaixo é de um belo Torricado de Bacalhau servido no Festival de Gastronomia de Samora Correia, que decorre no mês de Julho (esta ano é de 1 a 10 de Julho, apareçam).





Se quiserem saber mais sobre a história do Torricado de Bacalhau podem ler este artigo do DN.

PS - Pode ser feito no forno, mas não é a mesma coisa acreditem, na brasa é muito mais saboroso.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Novidades da semana de 27 de Junho a 3 de Julho

Sem comentários:

Nas livrarias a 27 de Junho
 

Nas livrarias a 28 de Junho
    
  

  

Nas livrarias a 29 de Junho
  

  
   

Nas livrarias a 30 de Junho
    

Livro de bolso nas livrarias a 1 de Julho
  

Nas livrarias a 1 de Julho