Crónicas de uma Leitora: Março 2015

terça-feira, 31 de março de 2015

Cinema | Jane Austen | Amor e Amizade

Sem comentários:


O romance Amor e Amizade (também conhecido como Lady Susan) já está em fase de gravações, para ser adaptado a filme. A obra foi originalmente publicada, em formato de short-story, em 1871!

Lady Susan Vernon (Kate Beckinsale), uma jovem e bela viúva, decide passar uns tempos na propriedade de familiares, ausentando-se assim dos salões da alta sociedade londrina que frequenta, de modo  a dissipar  alguns rumores coloridos, que por lá circulam, sobre os seus variados casos.


Mas embora supostamente recatada, Lady Susan decide assegurar um marido para si e perspetivar outro para a sua elegível mas relutante filha, Frederica (Morfydd Clark). Ao fazê-lo, acaba por competir pelas atenções do jovem e bonito Reginald DeCourcy (Xavier Samuel), do rico e um pouco imbecil Sir James Martin (Tom Bennett) e do divinamente bonito, mas infelizmente casado, Lord Manwaring (Lochlann O'Mearáin), o que acaba por complicar os seus planos.


Baseado na novela Lady Susan de Jane Austen,  realizado e com argumento de Whit Stillman, Amor & Amizade é uma irreverente comédia de costumes que conta no elenco com fantásticas interpretações de Kate Beckinsale, Chloë Sevigny, Xavier Samuel e Stephen Fry..


Algumas imagens das filmagens no exterior:
Period drama: Kate Beckinsale and Chloe Sevigny prepared to shoot new scenes for forthcoming drama Love And Friendship on WednesdayBelly laughs: The pair shared a joke while idling on set in Dublin before shooting a new scene 

Gee up: The two co-stars chatted close to a horse and carriage, with Kate appearing to clutch a page from the shooting script Here we go: Kate and Chloe ready themselves as cameras prepare to roll 

O filme, que tem acção em 1790, é realizado por Whit Stillma e estreia dia 30 de Junho em Portugal.

Passatempo 3.º aniversário #8

3 comentários:
 
Para o 8.º passatempo de aniversário temos a sorteio com o fantástico apoio Jacarandá Editora um exemplar de A Bastarda de Istambul.

Para participar basta seguir as regras e preencher o formulário:
As regras para participação são as seguintes:
- Podem participar até dia 15 de abril
- Podem participar uma vez por dia (sempre com uma nova partilha nas redes sociais)
- Ser seguidor público do blog
- Ser fã da nossa página do facebook
- Ser fã da página da editora no facebook, clique aqui
-  Partilhar nas redes sociais (uma partilha diferente em qualquer rede social por participação)
- Só são aceites participações de Portugal (continente e ilhas).
- O envio é feito pela Administração do blog.

Frases que nos marcaram #8

Sem comentários:

E a frase marcante desta semana é da nossa leitora Olga Costa. Obrigada pela participação :)

Se quer que as frases que o marcaram sejam publicadas nesta nossa rubrica semanal, basta enviar-nos as ditas para o nosso email (cronicasdeumaleitora@gmail.com) ou então por mensagem na nossa página do Facebook, com a identificação dos livros onde as descobriram.

Contamos com a vossa participação. 

segunda-feira, 30 de março de 2015

A Cada Dia | David Levithan | Opinião

Sem comentários:
Para informações detalhada sobre A Cada Dia, clique aqui


Aquilo que mais me lembro da enfadonha disciplina de Introdução à Filosofia, que me aborrecia de morte e me dava vontade de saltar pela janela, era de debatermos perguntas tão essenciais como Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? E perceber que muitas vezes as respostas poderiam ser totalmente disparatadas, afinal adolescentes de 15 e 16 anos a discutir o significado da vida logo pela manhã nem sempre resultava em aulas produtivas ou interessantes.

E agora, estarão a pensar: "Mas Vera um livro YA lembra-te questões existênciais?" Bem, fez-me reflectir bastante na primeira questão, já nas outras duas nem por isso, mas tenho todo o gosto em explicar-vos. Quem somos? Somos o conjunto de tudo o vivemos, experienciamos, sentimos, não somos? A nível físico, psicológico, sentimental, familiar. Somos também o reflexo das pessoas que conhecemos, que nos amam e que nos odeiam, somos igualmente aquilo que os outros vêem em nós. Portanto somos corpo e mente e tudo o que ele reflete de nós e em nós. Mas e se não tivessemos corpo? Se a nossa existência fosse saltar de corpo em corpo? Um dia em cada corpo, absorvendo a vida dos outros mas nunca uma vida para nós, nunca tendo uma existência física que deixasse marca na vida dos outros? Se apenas somos uma essência, nem rapaz nem rapariga, nem hetero nem homosexual, e nem transsexual mas ao mesmo tempo fossemos tudo? 

Desculpem-me estar enfadonhamente filosófica mas A, protagonista de A Cada Dia fez-me pensar muito nestas questões, é que A não tem corpo e ao mesmo tempo tem todos os corpos que habita. A já foi rapaz e rapariga, já gostou de pessoas do mesmo sexo e do sexo oposto, já experienciou a vida como transsexual, A tem todas as religiões mas não tem nenhuma pois acredita que são fundamentalmente iguais. Leva uma existência simples e calma pois a cada novo dia acorda no corpo de alguém e não quer que nenhum dos seus actos posso ter repercussões na vida dos jovens que habita. Apenas duas coisas são certas para A nunca habita o mesmo corpo duas vezes e só habita em corpos que tenham a sua idade. Perguntei-me muitas vezes ao longo da narrativa como é que A desenvolveu o seu sentido ético uma vez que tal não lhe foi ensinado, ou foi? Se a cada dia era um bebé, criança, adolescente diferente, acordando em casa e familias diferentes como conseguiu construir e desenvolver a sua moral? Não desenvolveu laços e nunca teve rotinas pois todos os dias tinha de se adaptar a um ambiente diferente. E sendo que o certo e errado é diferente em todas as culturas, em todas as crenças, em todas as familias por isso como construir a sua própria conduta e fazê-lo de forma a parecer tão perfeita?

Porém A é apenas adolescente e as hormonas pode sem dúvida modificar tudo, já que ao acordar no corpo de Justin conhece a namorada dele Rhiannon e a partir daí todas as regras serão quebradas, o respeito pelo corpo alheio termina e A usa-os para seu próprio benefício tirando o melhor partido possível. Mas uma vez que A não tem o seu próprio corpo como podemos nós julgar as suas acções? Não compreendemos a sua ânsia de amor, de ligação?

David Levithan conseguiu de alguma forma dar-me a volta à cabeça durante vários dias com todas estas questões, o livro é muito bonito e a história está espectacularmente bem escrita. Os capítulos estão divididos por dias e são relativamente pequenos e de leitura muito rápida o que faz com que devoremos as páginas a uma velocidade quase assustadora. Fiquei completamente rendida a esta história, a escrita de Levithan é fantástica, muito diferente do que estou acostumada, julgo que em parte seja por ser uma história YA e em parte porque geralmente só leio autoras mulheres por isso nota-se bastante a diferença e foi muito refrescante esta mudança. O segundo livro sai no original no verão e espero que a TopSeller não demore muito para o trazer para cá porque quero mais explicações sobre esta estranha forma de vida. Adorei e fiquei viciada em YA.


Agenda Cultural | Notícias

Sem comentários:
LANÇAMENTOS


_____________________________________________________________________________


_____________________________________________________________________________


EVENTOS


_____________________________________________________________________________


Encontra-se a decorrer 1ª Temporada da Agenda Cultural de 2015 do El Corte Inglés de Lisboa.

Programação de 30/03 a 05/04

Curso de História de Portugal – Conheça as personagens da nossa história. Professor: Lourenço Pereira Coutinho (autor e historiador). Início a 1 de Abril.

Curso de História do Pensamento – Sentir e Pensar. Professor: José Carlos Pereira (Professor da Faculdade de Belas Artes de Lisboa). Início a 2 de Abril.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Novidade da semana de 30 de Março a 5 de Abril

Sem comentários:

30 de Março

http://www.wook.pt/ficha/a-morte-ninguem-escapa/a/id/16269479?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/romance-com-o-duque/a/id/16269478?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/diario-de-guantanamo/a/id/16269480?a_aid=54ddff03dd32b
http://www.wook.pt/ficha/o-diario-de-mary-berg/a/id/16269481?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/os-caminhos-da-alma/a/id/16269475?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/pelas-portas-do-coracao/a/id/16269477?a_aid=54ddff03dd32b 



31 de Março

http://www.wook.pt/ficha/romance-acidental/a/id/16219826?a_aid=54ddff03dd32bhttp://topbooks.pt/produto/nicolae/http://www.wook.pt/ficha/ser-mortal/a/id/16219829?a_aid=54ddff03dd32b
http://www.wook.pt/ficha/tormenta/a/id/16219827?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/best-of-as-minhas-melhores-receitas/a/id/16219828?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/suite-francesa/a/id/16283729?a_aid=54ddff03dd32b


 1 de Abril

http://www.wook.pt/ficha/a-verdade-e-outras-mentiras/a/id/16283636?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/submissao/a/id/16168951?a_aid=54ddff03dd32b
http://www.wook.pt/ficha/o-segredo-das-gemeas-fairy-oak/a/id/16283714?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/a-promessa/a/id/16283696?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/pablo-escobar-o-meu-pai/a/id/16283697?a_aid=54ddff03dd32b



3 de Abril
 
http://www.wook.pt/ficha/um-homem-sem-passado/a/id/16283641?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/deslumbra-me/a/id/16283645?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/todos-os-passaros-do-ceu/a/id/16283644?a_aid=54ddff03dd32b
http://www.wook.pt/ficha/crochet-simples/a/id/16283643?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/os-arquivos-secretos-do-vaticano/a/id/16283640?a_aid=54ddff03dd32bhttp://www.wook.pt/ficha/provo-te/a/id/16283642?a_aid=54ddff03dd32b



Para mais informações sobre os livros, basta carregar no mesmo.







quarta-feira, 25 de março de 2015

Divulgação de Autores Portugueses - Manuel Alves

1 comentário:







Biografia

Sou o príncipe canalha das marés altas, em caravela pirata, que ataca, pilha e mata. Nem vasos de guerra, nem fragatas reais, nem armadas invencíveis e outros adversários mortais; diante dos meus canhões e pontaria que não erra, são todos insignificantes, anões, perecíveis e deitados por terra. Não me chamam pelo nome os metais nobres, nem as pedras preciosas, nem as obras de arte mais valiosas. Sou o ladrão de esquecimentos, roubo corações e sentimentos, moças pouco amadas e mulheres mal casadas. Dou ordens ao vento, que me agarra a lona das velas, sempre que é preciso fugir, na pressa do momento, das mulheres e dos maridos delas.



Bibliografia:
 











Para mais informações sobre os  livros do autor, basta clicarem aqui.



Livro que o marcou
Ah, as escolhas. Só um é pouquinho. Três. Três, é melhor. O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher. Siddhartha, de Hermann Hesse. Werther, de Goethe… e todos os outros.

Autor preferido
Ter um autor preferido é um pouquinho injustiçar todos os autores de quem gostamos. Não tenho. Vou apenas mencionar alguns autores de quem li mais do que um livro, o que significa que, em princípio, gosto de ler aquilo que escrevem. Por ordem alfabética: Mia Couto, Neil Gaiman, Orson Scott Card e, claro… todos os outros que, nas suas próprias palavras, à maneira de cada um, me disseram assim: o mundo não é só aquilo que existe, mas também tudo aquilo que podemos imaginar acordados e sonhar de olhos fechados.

Um livro que recomendaria a sua leitura e qual o motivo
O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher. É, como muitas maravilhas, breve e termina com a palavra “amor”.

Escrever faz-lhe sentir...
Isso. Faz-me sentir. A explicação daquilo que sentimos não cabe nas palavras. Resta-me usar o verbo e acreditar que todos saberão dar-lhe significado. Sinto.

Umas palavras aos leitores
Leiam. A sobrevivência daqueles que escrevem depende daqueles que lêem que, por sua vez, dependem daqueles que escrevem. É o círculo do eterno retorno. Especialmente para os leitores deste blogue, continuem por cá, chamem amigos e façam-se muitos.