Crónicas de uma Leitora: Setembro 2014

sábado, 27 de setembro de 2014

[Cinema]: Livre

Sem comentários:

Esta obra biográfica de Cheryl Strayed também terá a sua adaptação para o grande ecrã! Editada pela Editorial Presença em 2013 - Livre conta a história de Cheryl que aos 26 anos perdeu tudo e decide percorrer a pé mais de mil e oitocentros quilómetros. 
Reese Whiterspoon é a protagonista do filme. 
                                                                                        



Trailer
 

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

REIGN - 1ª temporada [Opinião]

Sem comentários:

Para ver o trailer clique AQUI



Comecei a ver esta série por influência de minha irmã embora, há primeira vista, pensasse que não faria muito o meu estilo… histórico… adolescentes como protagonistas, nép. Pois é, enganei-me, total e redondamente, uma vez que vi os 22 episódios.

Em Portugal, a série estreou no dia 29 de outubro de 2013, no canal TVSéries. A série é baseada na verdadeira história de Mary, que foi rainha da Escócia de 14 de Dezembro de 1542 a 24 de Julho de 1567; e do seu período na França com o Príncipe Francis. Reign ganhou no People's Choice Awards como Novo Drama Favorito de 2014. A primeira temporada da série foi encerrada com 22 episódios, assim como a maioria das séries do canal CW. No dia 13 de Fevereiro de 2014, foi anunciada a renovação para uma segunda temporada. (Fonte: Wikipédia).

Mary Stuart (Adelaide Kane), rainha da Escócia foi prometida ao filho dos reis de França aos seis anos, com o intuito de Escócia e França formarem uma aliança contra Inglaterra. Durante 9 anos, Mary esteve escondida num mosteiro em França, uma vez que já tinha sido vítima de uma tentativa de assassinato na Escócia, no entanto após estes 9 anos, acaba por ser novamente vítima de uma tentativa de assassinato. Na altura, sua mãe, Mary de Guise e os reis de França, Henry II e Catherine de Médici decidem que está na hora desta regressar à Corte francesa, com o intuito de finalmente se casar com o príncipe Francis (Toby Regbo). O que à primeira vista parecia ser um conto de fadas, uma vez que é bastante visível a afetividade e atração que existe entre Mary e Francis, acaba por ser assombrada por uma premonição de Nostrodamos, amigo e confidente de Catherine de Médici: Mary seria a causa da morte prematura do príncipe Francis. Perante esta premonição, Catherine (como qualquer mãe), que era a favor do casamento, torna-se inimiga mortal de Mary, fazendo de tudo para impedir o casamento.

Para apimentar ainda mais a série, o rei Henry II tem uma amante (Diane) a residir na corte francesa, da qual tem um filho, Bash que se apaixona por Mary, não sendo este totalmente indiferente a Mary. Bash acaba por se aproximar cada vez mais de Mary, quando Henry II decide não marcar a data de casamento entro os dois, aguardando alterações na conjuntura política.

Apoiando Mary, encontramos as suas quatro amigas de infância; Keena, Lola, Greer e Aylee. De personalidades bem distintas, acompanhamos com muito agrado as aventuras e desventuras destas, tendo a série reservado ao espectador, uma série de assombrosas surpresas por cada uma delas. Outro aliado de Mary, é o «fantasma» da Corte, que se desloca por entre as passagens secretas do Castelo sendo apenas do conhecimento desta, de Nostrodamus e de um dos irmãos mais novos de Francis.

À parte toda a trama a ocorrer na Corte francesa, somos confrontados com a Floresta Sangrenta, onde decorrem uma série de sacrifícios dedicados a uma entidade designada como «Escuridão». Se à primeira vista, os episódios finais deixam a desejar acerca desta entidade, também deixam em aberto e de forma muito sinistra, o futuro de uma das personagens principais. 

Saliento de forma bastante entusiástica o fantástico guarda-roupa que a série é detentora, muito à frente do habitual estilo existente no século XVI. O vestuário tem o «seu toque» de moderno, de «spice» e deve ter feito as delícias das atrizes mais jovens. Os designs são atuais, modernos, sedutores e muito peculiares. Assim sendo, não esperem ver apenas o típico vestido bonito mas pesado, de cores monótonas. Somos confrontados com uma explosão de cores, tecidos, acessórios que ficariam bem no nosso roupeiro para uma ou outra ocasião mais chique!






Outro aspeto inovador nesta série é a banda sonora, composta por música contemporânea das quais saliento The Lumineers com estas magníficas músicas:




Aconselho a fãs do género histórico e young adult!







quinta-feira, 25 de setembro de 2014

DUAS MULHERES, de Marina Cole [Opinião]

Sem comentários:



Sinopse

Susan McNamara nunca teve uma vida fácil, e agora quase a chegar aos trinta anos tem quatro filhos e está presa por ter morto o marido com um martelo. Nascida numa família violenta no East End, teve uma infância de espancamentos, brutalidade e incesto.

Aos quinze anos conheceu Barry, o rapaz mais popular do liceu, e a sua vida mudou para sempre. Susan não era especialmente bonita nem interessante, mas Barry seduzi-a por saber que o seu pai era um importante mafioso, e tudo o que Barry pretendia era alcançar poder e status. Casaram-se e para Susan todo o casamento foi um pesadelo. Barry batia-lhe e, lentamente, Susan começou a ver nele a imagem do seu pai até que num acto de desespero e durante uma discussão mata o seu marido.

Quando é encarcerada ao lado de Matilda Enderby, os seus destinos ficam ligados para sempre. E ninguém - e muito menos Susan - poderia adivinhar...




Acho que há muito muito tempo que não lia um livro com tantos «piiiiiiii» como este! Apesar de não ser um livro que se leia de ânimo leve, manteve-se compenetrada na sua leitura por três dias, transportando-me para a vida de Susan de uma forma visceral. Susan teve tudo menos uma vida fácil, contemplada com a falta de beleza, foi desde cedo comparada á irmã que, além de ser mais bonita, era também mais atrevida fazendo valer as suas opiniões. Susan, o patinho feio da família, foi em todos os aspetos negligenciada por ambos os progenitores, ao ponto de sofrer as mais variadas agressões de ambas as partes. Aos 1 anos apaixona-se e sonha em sair da casa dos pais acreditando que finalmente pode ser feliz… mas como já afirmam os manuais de psicologia, uma jovem vinda de um seio familiar agressivo tem mais facilidade em se apaixonar por um agressor, replicando o único modelo parental conhecido. Assim sendo, Susan passa de um agressor (pai), para outro (marido), iniciando em tempo de namoro e culminando de forma totalmente perversa, em plena noite de núpcias!

Este não é de forma alguma, um livro fácil de ler, acho que passaram por minha cabeça várias formas de tortura de desejaria sujeitar tanto os pais como o marido de Susan, a própria mãe de Susan vê apenas duas coisas à sua frente, o umbigo e o marido que ama mais do que a própria filha. Além do percurso familiar da vida de Susan, somos confrontados com uma sociedade muito peculiar, o submundo do crime onde sangue se «lava» com sangue e crimes, agressões e mortes são o prato do dia-a-dia. Ler acerca de uma sociedade tão diferente daquela onde vivemos, fez-me pensar em quantas mulheres e homens nascem e morrem dentro dela, sem nunca conhecer outro tipo de vida. Susan é a heroína, apesar de tudo o que passa, cria os filhos com amor e dedicação, sempre no meio de muitos «piiiissssss», se é que me entendem, mas pensando sempre neles em primeiro lugar e, acaba por ser isso a salvação dela, uma vez que após o assassinato do marido, Susan não faz nada para se defender. É condenada apesar do advogado achar que muita coisa estava por dizer, no entanto em sua defesa, Susan nada alega!

O título, Duas Mulheres, a meu ver não é o mais adequado ao livro, uma vez que a segunda mulher, Matilda Endebery, ter um papel muito pequeno em toda a trama. Uma autora muito diferente do habitual, com uma escrita sem «papos na língua» e que me fez rir à gargalhada nas mais diversas situações! Infelizmente a Civilização Editora já não tem o livro online, mas de certo que o encontram em alfarrabistas!

domingo, 21 de setembro de 2014

Rubrica Nova - Autor do Mês

Sem comentários:


Olá a todos,

A partir de Outubro teremos uma nova rubrica no blog intitulada Autor do Mês. Uma vez por semana, em dia fixo a definir, iremos fazer um post sobre o autor, a sua biografia, os livros publicados, curiosidades, enfim o que conseguirmos descobrir com a ajuda (ou não) do autor. O último post será um passatempo que poderá incluir OU um livro, OU marcadores, OU swag, OU tudo depende do que conseguirmos angariar/fazer e as respostas estarão nos posts anteriores.

Achamos que esta pode ser uma forma de dinamizarmos o blog, trazermos mais passatempos e quem sabe dar-vos a conhecer novos autores ou dados novos sobre autores que já conhecem. Que vos parece?

sábado, 20 de setembro de 2014

[Série de TV]: Olive Kitteridge

Sem comentários:

Editada pela Casa das Letras em 2010, a obra de Elizabeth Strout irá ser adaptada a minisérie de tv com quatro episódios. O livro ganhou o prémio Pultizer em 2009.

O projecto já tem alguns anos (desde 2012) mas só em 2013, a HBO deu luz verde para a produção da série. Estreia nos USA em Novembro!

Olive1

A minissérie propõe-se a apresentar a forma como os moradores de uma pequena comunidade interagem ao longo de 25 anos, com cenas de flashbacks e flashforwards. Casamentos, suicídios, depressão, situações cómicas e confusões dominam a vida dos moradores de Crosby, no interior do Maine.


Curiosos ou nem por isso?

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Passatempos na página do facebook

Sem comentários:
Estão a decorrer dois passatempos na pagina do facebook se quiserem participar passem por lá, cliquem nas fotos para serem redirecionados para o devido passatempo.
https://www.facebook.com/CronicasDeUmaLeitora/photos/a.144991032300861.31018.130961390370492/536613099805317/?type=1&comment_id=536620196471274&offset=0&total_comments=13&notif_t=photo_comment

https://www.facebook.com/CronicasDeUmaLeitora/photos/a.144991032300861.31018.130961390370492/532319380234689/?type=1&theater


quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Comunicado da Administração do Blog Crónicas de Uma Leitora

1 comentário:


Caríssimos Leitores, parceiros, autores e seguidores,

Esta semana fomos confrontados com o surgimento de um novo projecto de Blogue Literário cujo nome nos parece facilmente confundível com o Crónicas de Uma Leitora.

Trata-se de Blog sob o título “Mais que uma Leitora”. Porque era sentimento comum à administração, colaboradores e até mesmo alguns leitores do Crónicas de uma Leitora de que tal nome poderia induzir a possível confusão, e eventual associação entre blogues, optou-se por transmitir frontalmente esta perspectiva às Administradoras no novo Blogue.

Sucede que, foi decidido pela administração do Blogue “Mais que Uma Leitora”, manter o nome, persistindo no entendimento, a nosso ver erróneo, salvo o devido respeito por distinta opinião, de que os projectos não geram potencialmente qualquer equívoco decorrente de semelhança de nomes dos Blogues.

Assim, perante o impasse gerado, esclarecemos que o Blogue Crónicas de Uma Leitora não tem qualquer ligação ao Mais do que uma Leitora, sendo ambos projectos totalmente distintos, quer nos propósitos, quer nas equipas de administração e colaboradores.

Para que não restem dúvidas, optámos por fazer divulgar o presente comunicado, que será publicado em Post no Blog, e remetido individualmente a cada um dos nossos parceiros editoriais e apoios editoriais de carácter mais pontual.

[Série de TV]: The Leftovers/ O mundo depois do fim

Sem comentários:
16033712

Baseada na obra de Tom Perrotta - O Mundo depois do fim - editada pela Contraponto em 2012, The Leftovers estreou este mês nos canais TV Séries. 


Na história, um acontecimento no dia 14 de outubro leva 2% da população mundial. São 140 milhões de desaparecidos. Aqueles que foram deixados para trás tentam compreender o que aconteceu.Anos depois, ainda traumatizados, cada membro de uma comunidade do interior dos EUA reage de uma maneira ao que aconteceu. Alguns entraram em depressão; outros se tornaram amedrontados e outros indiferentes ao que acontece ao seu redor.

Algumas imagens da série:

A série já foi renovada para uma segunda temporada!

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

"Aqui e agora" de Ann Brashares [Opinião]

1 comentário:

Para mais informações clique aqui


Sinopse:
Seguir as regras.
Lembrar-me do que aconteceu.
Nunca me apaixonar.

O mundo de onde vim está em ruínas.
Estamos aqui para evitar a destruição da humanidade.
Mas se não seguirmos As Regras, tudo o que é importante desaparecerá:
Amigos. Famílias. Sonhos. Amor.
O Ethan não pode nunca descobrir o meu segredo.
Que não vim de outro lugar.
Que vim de um outro tempo.

Aqui e Agora é um thriller inesquecível, romântico e épico, sobre uma jovem que veio do futuro e que pode talvez salvar o mundo... se abrir mão daquilo que mais deseja




Adoro a capa do livro, dificilmente alguém passa por ele e não lhe pega. Adoro a textura da capa, as páginas em papel que parece ser reciclado,  e o tamanho que é mais pequenino que o normal (esta edição é pouco maior que um livro de bolso), o livro é mesmo muito bonito.

A história é original (pelo menos eu acho-a original), fala nos de um futuro onde as condições climatéricas são insustentáveis e por esse motivo a doença e morte espalha-se pelo mundo, a única salvação possível parece ser viajar no tempo e tentar reparar o acto que levou a Terra  ao CAOS.

Os viajantes do tempo têm 12 regras ás quais têm que obedecer de forma a preservar a harmonia entre os habituantes e os "viajantes", Prenna é uma jovem de 17 anos que vem do futuro e que questiona as regras, no seu dia-a-dia o  passado dos viajantes não deve ser referido e uma das regras mais importantes é que não se podem envolver intimamente com os habitantes, mas Prenna conhece Ethan, e, as regras são para ser quebradas.
Ethan é um jovem inteligente apaixonado por Física, a origem deste fascínio deve-se a ter testemunhado algo que ele não pensava ser possível. É um jovem atraente, charmoso, popular e um dos poucos amigos de Prenna.
Quando se torna claro para estes jovens que os viajantes não pretendem alterar a história da humanidade e consequentemente permitir que no futuro a morte abunde na Terra, unem-se de forma a tentar impedir os acontecimentos que poderão levar a este  triste desfecho, simultaneamente descobrem o amor, sei que parece um cliché, mas a maturidade destes jovens é impressionante.

É um livro pequeno, leve e que refere um futuro negro para os habitantes da Terra, tal como muitos dos nossos ambientalistas e cientistas proclamam nos dias de hoje, caso não mudemos os nossos hábitos.
Gostei muito de ler este livro, li-o num dia, recomendo a sua leitura a quem gosta de romances levezinhos, a quem gosta de viagens no tempo, a quem gosta de imaginar o futuro, é uma boa leitura.