Crónicas de uma Leitora: Novembro 2013

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Gritos do passado de Camilla Lackberg (Opinião)

Sem comentários:
Sinopse
Numa manhã de um Verão particularmente quente, um rapazinho brinca nas rochas em Fjällbacka - o pequeno porto turístico onde decorreu a acção de A Princesa de Gelo - quando se depara com o cadáver de uma mulher. A polícia confirma rapidamente que se tratou de um crime, mas o caso complica-se com a descoberta, no mesmo sítio de dois esqueletos. O inspector Patrick Hedström é encarregado da investigação naquele período estival em que o incidente poderia fazer fugir os turistas, mas, sem testemunhas, sem elementos determinantes, a polícia não pode fazer mais do que esperar os resultados das análises dos serviços especiais. Entretanto, Erica Falk, nas últimas semanas de gravidez, decide ajudar Patrick pesquisando informações na biblioteca local e novas revelações começam a dar forma ao quadro: os esqueletos são certamente de duas jovens desaparecidas há mais de vinte anos, Mona e Siv. Volta assim à ribalta a família Hult, cujo patriarca, Ephraim, magnetizava as multidões acompanhado dos dois filhos, os pequenos Gabriel e Johannes, dotados de poderes curativos. Depois dessa época, e de um estranho suicídio, a família dividiu-se em dois ramos que agora se odeiam.


Nesta segunda obra de Camilla Lackberg, vamos de novo encontrar algumas das personagens do primeiro livro. Erica escritora, e Patrick, policia, já estão, agora, juntos há ano e meio e esperam o primeiro filho.
Temos também Anna, irmã de Erica que finalmente se divorciou do marido ciumento e violento e está agora numa nova relação.
Mas também vamos ficar a conhecer um pouco melhor os colegas de Patrick, na esquadra de policia.
A narrativa começa com a descoberta de um corpo. Uma mulher que foi deixada nua, na praia, brutalmente assassinada. E como se esta tragédia não fosse ainda o suficiente, nada os prepara para a descoberta macabra que fazem quando retiram o corpo de cima do cobertor onde foi encontrado. É que debaixo dela estão esqueletos de 2 jovens mulheres, assassinadas há mais de 20 anos.
Começa aqui mais uma investigação alucinante para descobrir a relação que existe entre esta morte e a morte das duas jovens, de há 20 anos. Mais uma vez somos surpreendidos com vários segredos familiares que nos poderão levar por vários caminhos na descoberta do assassino. Será que ele/ela voltou a atacar passado tanto tempo? E porque é que todas as raparigas tinham os ossos totalmente partidos? que tipo de sadico foi capaz de lhes fazer isso ainda em via? Porque é que a rapariga alemã assassinada na praia, andou a fazer perguntas sobre as desaparecidas tantos anos antes? Será que existe alguma relação? Por onde quer que a investigação siga, vai sempre embicar no mesmo caminho. No caminho da familia Hult que depois de um suicídio se dividiu e agora vive de costas voltadas. Terão os dois irmãos Stefan e Robert, sempre a braços com a justiça alguma coisa a ver com isto? Quando mais uma jovem desaparece de repente, eles tornam-se os principais suspeitos. Mas se foram eles, como tiveram acesso aos esqueletos das jovens quando eles ainda nem sequer eram nascidos na altura do desaparecimento destas?
Tantas perguntas para responder. Tanto caminho intrincado e tantas suspeitas.
Camilla Lackberg consegue mais uma vez prender-nos ao livros com facilidade, pela forma como descreve as situações. O cuidado que existiu ao fazér pesquisa sobre o funcionamento ca policia e dos exames laboratoriais nota-se, o que torna o livro ainda mais verosímil.
Se gostei do primeiro, ainda gostei mais deste segundo e estou ansiosa para ler o seguinte.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

[Cinema] Jogos de Fome - a melhor estreia de sempre

Sem comentários:

"Jogos de Fome : Em chamas", é a adaptação do segundo livro da trilogia da escritora Suzanne Collins. A sequela do grande êxito de "Jogos de fome" criado por Gary Ross em 2011, estreou este fim de semana nos Estados Unidos da América e arrecadou cerca de 161 milhões de dólares.
Um recorde do mês de Novembro que ultrapassou "Twilight" que estreou na mesma altura. No entanto é também a quarta melhor de todos os meses, estando atrás de "Os Vingadores", "Homem de Ferro 3" e Harry Potter e os Talismãs da Morte-Parte2". Tendo também em vista que os últimos três beneficiaram de uma valor acrescido do serviço 3D. 
Jogos de Fome: Em Chamas, torna-se então a melhor estreia de sempre em valores para um filme sem projecção 3D, ultrapassando até então "O Cavaleiro das Trevas" com 160 milhões de dólares.

Em Portugal o filme estreia-se já a 28 de Novembro.


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Bonebreaker de Sara Reis [Opinião]

Sem comentários:



Sinopse:
Com a intenção de curar o irmão de uma doença, para ela desconhecida, Raquel com cinco anos de idade cede à pressão de um completo estranho que se oferece para ajudar. Sem ter mais ninguém a quem recorrer, Raquel fica dependente desse sujeito que a acolheu e ajudou, mudando a sua vida radicalmente.

Obtendo uma nova identidade, treinos rigorosos e crescendo num ambiente de desconfiança, inveja e ganância, Raquel é obrigada a trabalhar para mafiosos que têm como principal actividade matar pessoas. Para ela não é nada de outro mundo visto que ela própria esconde um segredo: ela é um canibal.

Contudo, a sua única intenção é poder reencontrar-se com o seu irmão que partiu para ser hospitalizado. Raquel tem vários planos em mente para convencer toda a gente de que está do seu lado e obter informações acerca do irmão. Mas a situação complica-se quando esta se apercebe de que está a apaixonar-se pelo homem que deveria enganar e que este homem não é humano.



Este livro conta a história de Raquel, no inicio com sete anos, e do seu irmão mais novo. Ambos tem um segredo, um quanto ou tanto estranho, são canibais.
Depois do seu irmão adoecer, Raquel quer fazer tudo o que puder para o salvar. Abordada por um estranho que lhe diz que a melhor maneira para ela o salvar é entrar numa agência ultra-secreta.
Bonebreaker é o nome da Agência que conta com assassinos das mais variadas raças, vampiros, anjos, domónis e... canibais.
Claro que ela aceita. Então muda o seu nome para Sara e há medida que se vai habituando a agência e aos novos colegas descobre que há algumas regras que se forem quebradas terão castigos, muitas vezes mortais.
Descobre também que se apaixonou um homem muito misterioso e com um passado complicado.

Apesar de toda a história em si ser interessante, peca muito pelo excesso de personagens que muitas das vezes nem fazem sentido, juntando a falta de organização geográfica que muitas das vezes me deixaram desorientada. No entanto adorei Hugo, foi das personagens mais coerente e credíveis que este livro tem.
Um outro ponto positivo foi os diálogos que não pareciam nada forçadas e ate eram muito credíveis.
Uma outra coisa que não sei se foi intencional ou não, mas tem um capitulo repetido, mas não seguido, se não foi intencional é completamente descabido.

Em geral tem uma base muito boa, mas a sua construção foi muito mal feita. Merecia de facto uma melhor organização, a ver o que me espera no próximo volume.




Ebooks na Saída de Emergência [Notícia]

Sem comentários:
 
 A Sde informa que já estão disponíveis em formato eBook os seguintes títulos:

George R. R. Martin:
A Tormenta de Espadas
O Despertar da Magia
A Fúria dos Reis
A Muralha de Gelo
A Guerra dos Tronos

Raymond E. Feist:
O Mago – As Trevas de Sethanon
O Mago – Espinho de Prata
O Mago – Mestre
O Mago – Aprendiz

Beth Kery:
Quando Estou Contigo
Porque És Minha

P.C. Cast e Kristin Cast:
Perseguida
Indomável
Escolhida
Traída
Marcada

Sylvain Reynard:
O Êxtase de Gabriel
O Inferno de Gabriel

(Des)Esperamos por novas sagas

Sem comentários:
O Goodreads é uma excelente fonte de pesquisa para esta rubrica, foi-me recomendado por estar a ler Luz e Sombra de Leigh Bardugo estes livros e confesso que depois de ler a sinopse espero vir a vê-los por cá

https://www.goodreads.com/book/show/11556960-crewel?from_home_module=truehttps://www.goodreads.com/book/show/16140922-altered



Menina rica, menina pobre de Joanna Rees [Opinião]

1 comentário:
 

Sinopse: Thea e Romy são duas lindas bebés cujo futuro é ditado por uma moeda atirada ao ar. Separadas e vendidas na calada da noite, os seus destinos não podiam ser mais diferentes. Thea é enviada para os Estados Unidos, onde a espera uma vida de privilégio e luxo. Romy é internada num violento e degradado orfanato na Alemanha de Leste. Embora vivam em continentes diferentes, os seus caminhos vão cruzar-se ao longo dos anos, sem que nenhuma conheça a identidade da outra. Mas os seus mundos acabarão por colidir um dia. Face a uma tragédia iminente, com tudo o que lhes é mais querido em jogo, elas têm apenas duas opções: destruírem-se mutuamente ou unirem-se, arriscando as próprias vidas, para descobrir a chocante verdade sobre o seu passado. Das vielas decadentes de Londres aos arranha-céus de Nova Iorque, das montanhas geladas da Europa de Leste às exuberantes praias das Caraíbas, duas mulheres unidas pelo poder invisível dos laços de sangue constroem as suas vidas numa luta permanente contra a arbitrariedade do acaso.





Alemanha, ano 1971. Duas meninas, duas irmãs bebés, são vendidas, e naquela hora o destino delas é traçado. Uma delas terá uma vida de luxo e a outra será criada num orfanato com um destino incerto.
A historia avança 8 anos e vamos encontrar Theodora, numa vida com todos os luxos possíveis e imagináveis e com pais que a adoram. Uma "dádiva de Deus" como a mãe gosta de lhe chamar. Mas a mãe de Theo está gravemente doente e quando acaba por falecer, ela vê a que a sua vida idílica transformar-se aos poucos. 3 anos após a morte da mãe, o pai volta a casar, com uma mulher divorciada e com um filho mais velho que ela. A madrasta de inicio parece ser a fada madrinha, depressa se transforma na bruxa má, e junto com o filho tudo fará para a afastar do pai e das empresas. A primeira medida será envia-la para longe, para um colégio. De seguida, tanto mãe, como filho, tudo fazem para convencer o pai de Theo a adoptar Brett legalmente. Estão dados os primeiros passos para o afastamente do pai de Thea, e enquanto Brett não a consegue humilhar de vez não descansa.
Na mesma altura vamos encontrar Romy, que está a ser criada num orfanato na Alemanha, que é quase uma prisão, e que tudo faz para se escapar de lá. Aos longo dos anos ela tem vindo a planear em pormenor a sua fuga. Mas nem tudo corre como o planeado e antes de fugir ela a aba por matar um dos guardas em legitima defesa, para poder defender a amiga que estava a ser violada. Amiga essa que era para ter fugido com ela, mas que ja nao consegue, por ter sido apanhada pelos cães. Para nao ser tambem apanhada Romy acaba por fugir, deixando a amiga para trás. Mas esta fuga dela vai persegui-lá por muito tempo.
A partir daqui nada serra fácil para Romy, com algum dinheiro que conseguiu roubar do orfanato ela consegue comprar documentos falsos, muda de nome para poer escapar aosq seus perseguidores. Comeca a trabalhar numa fabrica, onde comeca a juntar o primeiro dinheiro para poder realizar o seu sonho: chegar a Itália e ver o mar. Mas até que o consegue muita coisa vai ter de aguentar.
Tanto Thea como Romy vão comer do pão que o diabo amassou. Uma de uma maneira em outra doutra, ambas vão sofrer para poderem ser felizes. Ambas vão aprender quem nada é eterno e terão de lutar muito e contar só com elas para poderem ser felizes.
Uma história com um carrossel de emoções. A autora conseguiu, ao longo de todo o livro incutir em mim as mais diversas acções. Tao depressa estava furiosa e capaz de matar determinada personagem, como. No momento seguinte estava de lagrima no olho pela tristeza que senti por outras. Mas tambem fsento alegria em diversas situações. E este é um dos pontos mais positivos que destaco do livro. A facilidade com que a autora nos descreve os sentimentos das personagens e os consegues transmitira através da escrita.
No entanto, e porque nem sempre tudo é bom, tal como o livro nos ensina, acho que este se torna, demasiado longo. Todas as situações nos saoa descritas por capítulos. Nuns temos Theo, noutros Romy. Ha o salto de vários anos entre uns capítulos e outros o que facilita a que a história nao se torne enfadonha. Mas mesmo assim, poderia ser um pouco mais curta. Demasiadas tragédias seguidas, fez com que, eu desse por mim a querer páginas à frente para ver o que aconteceria a seguir.
Mas o balanço final, é sem duvida positivo, e relembra-nos que se nao formos nos a lutar pela vida que queremos, ela nao nos vem parar às mãos. 

domingo, 24 de novembro de 2013

"Angel Gabriel - Pacto de Sangue" de Ana C. Nunes (Opinião)

Sem comentários:


Para mais informação ver aqui

Sinopse:
Há 165 anos Gabriel não acreditaria se lhe dissessem que 13 pessoas seriam suficientes para levar os humanos à quase extinção. Menos ainda creria se lhe dissessem que tal aconteceria, em grande parte, com a sua ajuda. Mas nem sempre aquilo em que acreditamos acaba por acontecer.
Angel nasceu num refúgio subterrâneo onde humanos adoram o sol e temem a lua, onde a magia substitui as armas de fogo e o silêncio é a melhor protecção contra os predadores: vampiros.
Ambos estão mais preocupados com a sua sobrevivência do que com o mundo que está prestes a desintegrar-se, mas quando uma maldição os força a um mútuo acordo, já não será somente a própria sobrevivência que vingará.
Conseguirão eles encontrar um equilíbrio, ou morrerão em discórdia? 



A história interessou-me, mas com tanto livro em papel para ler, não peguei no ebook de "Pacto de Sangue", entretanto o meu marido ofereceu-me o kobo e entre livros, comecei a lê-lo...

Ao principio custou-me a entrar na história, afinal trata-se de uma distopia sobre um futuro em que os vampiros lideram o mundo e os humanos são tratados como gado. Pior que isso, a escrita não fluía, palavras "caras" e expressões já pouco utilizadas fizeram com que desse por mim a pensar em abandonar a leitura nas primeiras 50 páginas, mas apartir daí,  a escrita simplificou-se, a história prendeu-me e eu simplesmente rendi-me aquele mundo.

Angel é uma humana, filha da grande feiticeira Ishvar, que vive na sombra da mãe e da sua irmã adpotiva Amilda, é uma jovem de ideias fixas, irónica e com grande sentido de dever, mas um coração de ouro para a sua familia.
Gabriel é um Sekhmet, foi criado por um dos Primordiais (os Vampiros originais), mas nunca criou um vampiro, é um assassino de Cornivar o criador dos Primordiais, e mata para comer, mas gosta de levar a sua vida longe de confusões.
Uma luta entre Primordiais e Humanos vai ligar Angel e Gabriel. Será possível derrotar os Primordiais? Terá Gabriel algum papel nesta Batalha?

Achei a história muito bem estruturada, com alguns conceitos inovadores, uma nova forma de combate a vampiros através de feitiçaria e uns vampiros cuja existência também é diferente do usual.
Adorei este mundo fantástico e derrotista humano; adorei a esperança, o amor, a luta pela vida; adorei os feiticeiros e feitiços e os diferentes níveis de magia.

Uma leitura envolvente, com alguns erros de escrita que não conseguem retirar protagonismo a este mundo criado por Ana C. Nunes, para todos os amantes do fantástico e de vampiros, vale a pena ler .

sábado, 23 de novembro de 2013

O Toque do Highlander, de Karen Marie Moning [Opinião]

Sem comentários:

Sinopse

Ele desafiaria os limites do tempo por uma noite nos braços dela…

UM GUERREIRO DE PODERES IMORTAIS

Ele era um poderoso guerreiro escocês que vivia num mundo movido por antigas leis e magia intemporal. Mas nada poderia preparar o laird do Castelo Brodie para a encantadora e amaldiçoada jovem que jazia diante dele. Um terrível golpe do destino tinha-a feito recuar 700 anos no tempo para a sua câmara privada, a tentá-lo com a sua beleza — e a seduzi-lo com um desejo que ele jamais lograria saciar. Pois esta mulher que ele ardia por possuir era igualmente a mulher que ele recusara destruir.



UMA MULHER APANHADA NAS BRUMAS DO TEMPO

Quando Lisa sentiu a terra mover-se sob os seus pés, a feroz e independente mulher do século XXI jamais sonhou que estivesse a cair… direita a outro século. Mas o poderoso guerreiro nu que jazia postado de olhos fulgurantes nela era simplesmente demasiado real… e perigosamente arrebatador. Irresistivelmente atraente, sem dúvida... mas Lisa não tinha intenção de permanecer nesta bárbara terra dilacerada por guerra e traição. Como poderia ela saber que o seu sedutor captor tinha outros planos para ela? Planos que a salvariam de um trágico destino? E como poderia saber que este homem que há muito renunciara ao amor desafiaria o próprio tempo para a reclamar?


Quando terminei este livro e o pousei só me passava pela cabeça como é possível andar a perder histórias de Highlanders há tanto tempo. Magia, amor, poder, sedução e uma boa dose de História são os ingredientes deste livro de Karen Marie Moning.

Lisa é uma jovem com uma vida dificil, deixou a sua vida suspensa para cuidar da mãe e é obrigada a manter dois empregos. Um dos empregos é fazer limpeza num museu e é aqui que tocando inadvertidamente num objecto mágico que é transportada pelo tempo e pelo espaço aterrando num Castelo na Escócia de à 700 anos atrás.

O proprietário do castelo é um guerreiro que luta pela independência do seu país, Circenn Brodie é imortal, um homem forte, determinado mas que recusa o amor por ter sofrido a sua perda no passado, um homem de uma lealdade irrepreensível que protegerá o seu clã a todo o custo.

As personagens deste livro estão muito bem construídas, Lisa apesar das dificuldades económicas que atravessa é uma mulher forte, determinada e com uma teimosia de fazer perder a cabeça a um santo.

A autora escreve de uma maneira fabulosa que nos prende à acção, fiquei apaixonada pelo género e com vontade de ler mais livros passados nas Highlands. O conceito de guerreiro, chefe de clã é absolutamente delicioso e consegue arrebatar qualquer mulher. Sim porque este é um livro virado para o público feminino que dificilmente resistirá a uma história de amor intemporal. Agora tenho mesmo de ler os restantes livros desta série não é? Claro que sim afinal como seria capaz de ficar-me apenas por um highlander? Quero todos e recomendo!

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Cinema no Crónicas de uma Leitora

3 comentários:
Há muito tempo que uma rubrica de cinema é desejada aqui no blog, um projecto que eu pessoalmente não consigo investir. Lembrei-me que entretanto duas das minhas meninas, as mais antigas e muito muito queridas estão sem tempo para leituras o que faz com que seja dificil para elas terem uma participação mais activa no blog. Ora aliando o útil ao agradável elas acederam a fazer posts sobre cinema e que posts serão esses?

Adaptação de livros ao grande ecran
Divulgação de Traillers
Divulgação de Casts
Notícias relacionadas com os filmes (não haverá cusquices sobre os actores)

As colaboradoras que irão ficar encarregues desta rubrica serão a Mafalda Férias e a Raquel Leite!

E tudo o que seja considerado relevante sobre esta área, afinal andando o cinema e a literatura de mãos dadas faz sentido que façamos aqui esse elo de ligação também.

Um Mar de Rosas, de Nora Roberts [Opinião]

Sem comentários:
Com flores magníficas, acepipes deliciosos e momentos inesquecíveis, Nora Roberts partilha a viagem emocional e mágica de uma mulher rumo à paixão.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Uma Casa de Família, de Natasha Solomons, [Opinião]

1 comentário:



Para mais informações clique AQUI

Sinopse: 

Na primavera de 1938, a ameaça nazi paira sobre a Europa. Em Viena, a família Landau vê desaparecer muitos dos seus amigos e teme pela sua segurança. Decidem fugir do país mas não poderão partir juntos. Elise, a filha mais nova, é enviada para Inglaterra, onde a espera um emprego como criada de uma família aristocrática. É a única forma de garantir a sua segurança. Para trás deixa uma vida privilegiada. Em Tyneford, ela tenta encontrar o seu lugar na rígida hierarquia da casa. É agora uma das criadas, mas nunca antes trabalhou. Tem a educação e os hábitos da classe alta, mas não pertence à aristocracia. Enquanto areia as pratas e prepara as lareiras, usa as magníficas pérolas da mãe por baixo do uniforme. Sabe que deve limitar-se a servir, mas não consegue evitar o escândalo ao dançar com Kit, o filho do dono da casa. Juntos vão desafiar as convenções da severa aristocracia inglesa numa história de amor que tocará todos os que os rodeiam. Em Tyneford, ela vai aprender que é possível ser mais do que uma pessoa. Viver mais do que uma vida. Amar mais do que uma vez.



Segundo ebook lido e estou completamente rendida…

Romances de época não são os meus livros favoritos, verdade seja dita, no entanto este livro acabou por ganhar um cantinho especial na minha «estante virtual»! Uma autora a seguir de forma religiosa. Curiosa fui ao site da autora, pode encontrá-lo aqui, e acabei por ler as várias sinopses lá disponíveis. Qualquer um deles despertou-me o interesse e espero sinceramente que a ASA/Leya mantenha esta autora nas suas edições.

Relativamente à obra em si, esta gira em torno de Elise Landau, uma judia austríaca pertencente à classe média-alta que é enviada para Inglaterra de forma a fugir à perseguição nazi. Muito contrariada, uma vez que os pais e a irmã e cunhado aguardavam visto para os EUA, Elise obriga a família a prometer chamá-la assim que «pisarem» terras americanas. Habituada a ser servida, Elise é contratado pela família Rivers, em Tyneford, como criada de servir. No decorrer da leitura acompanhamos passo a passo o crescimento emocional de uma Elise mimada, caprichosa e insegura para uma jovem mulher corajosa, dedicada e claro, apaixonada.

O enredo está maravilhosamente bem construído no sentido do romance, somos confrontados com fatos históricos da época, nomeadamente a perseguição nazi, o início da guerra, o envio de jovens para combate no entanto, este não é o foco principal no qual a autora se debruça. A vida de Elise, a sua transição de adolescente e entrada na vida adulta é o pilar estrutural da obra em questão. Somos também apresentados a um conjunto de regras «sagradas» que dizem respeito ao bem servir dos serviçais face aos seus senhores. Ficamos a conhecer as regras de etiqueta destas casas senhoriais, possivelmente mais defendidas pelos serviçais do que propriamente por seus senhores, pelo menos no que diz respeito à família Rivers. Os dois mundos eram completamente distintos e no entanto, parte integrante de um todo, faces da mesma moeda.

Esta é uma leitura bastante comovente, na parte final do livro redescobrimos Elise em Sofia e sorrimos perante a inevitabilidade do amor! Aconselho sem reservas!!!

Resultado do passatempo "Encontro Inesperado"

1 comentário:
Depois de verificar as entradas e realizar o sorteio aqui fica o resultado do passatempo "Encontro Inesperado" de Jill Mansell, as vencedoras são

Raquel (...) Lima 

de Guimarães

 Angelina (...) Violante 

de Casal do Marco


Parabéns às duas, aguardo resposta aos emails que vos enviei

Provocadora, de Madeline Hunter [Opinião]

Sem comentários:

 "Numa complexa teia de poder, intriga e muito romance esta leitura leve e rápida com uma escrita fluída e acessível é completamente arrebatadora, transportando-nos para uma época deliciosa."

" A Cúpula- Livro1" de Stephen King (Opinião)

1 comentário:




Para mais informação clique aqui


Sinopse
Num bonito dia de outono, um dia perfeitamente normal, uma pequena cidade é súbita e inexplicavelmente isolada do resto do mundo por uma força invisível. Quando chocam contra ela, os aviões despenham-se, os carros explodem, as pessoas ficam feridas. As famílias são separadas e o pânico instala-se. Ninguém consegue compreender que barreira é aquela, de onde vem ou quando (se é que algum dia) desaparecerá.
Agora, um grupo de cidadãos intrépidos, liderado por um veterano da guerra do Iraque, toma as rédeas do poder no interior da cúpula. Mas o seu principal inimigo é a própria redoma. E o tempo está a esgotar-se…





Adoro Stephen King e foi com muito entusiasmo que peguei neste "livrinho" de 534 páginas, e devo confessar que o autor manteve-se fiel aos seus principios, pormenores sangrentos e mórbidos, uma teia envolvente de mistério e intriga, personagens bem estruturadas e definidas.
A capa é extremamente apelativa, mas as letras são um pouco pequenas, o que por vezes nos faz perder um pouco a concentração.
O livro está dividido em diversos livros com titulo sugestivo desse "capítulo" e sub-dividido em pequenos capitulos numerados, o que ajuda a manter ligações e a ler mais um bocadinho, no entanto logo no primeiro capitulo o autor brindou-me com algo completamente inusitado... os sentimentos e pensamentos de uma marmota. Confesso que fiquei surpreendida e não agradavelmente e quando vi que o o nome do livro seguinte era "Barbie" bradei aos céus...

As personagens principais deste livro são Dale Barbara, conhecido por Barbie um "outsider" da cidade que foi cozinheiro do principal restaurante da cidade e que ia abandonar a cidade no momento em que a cúpula se ergueu, com um passado secreto, passado e presente vão-se interligar de uma maneira inesperada. Julia Shumway directora do jornal regional Democrat e aliada de Barbie, uma jornalista com convicções fortes e que não se deixa comprar. Jim Rennie, mais conhecido por Big Jim, o grande poderoso da cidade, 2º conselheiro da cidade (por opção estratégica) e o seu filho Jim Rennie Junior um arruaceiro endinheirado e sempre protegido. E por fim o novo xérife da cidade Peter Randoph que é pau mandado de Big Jim.

O narrador vai nos elucidando ao longo da narrativa sobre situações futuras, as descrições pormenorizadas abundam e o excesso de personagens não facilitam a leitura nem abonam a favor do livro.
Sem querer ser "spoiller", existem situações dramáticas a ponto de me querer fechar o livro e não ler mais, fiquei repugnada, indignada e ao mesmo tempo extasiada para saber mais...

Este primeiro livro termina de forma abrupta, não tendo qualquer final, pelo que sugiro a espera pelo 2º para ler os dois de seguida, confesso que neste momento me encontro com um misto de sentimento de repulsa e curiosidade pelo 2º livro, gostava de saber como termina, mas não sei se tenho coragem de o ler.
Ao ler este livro, percebe-se claramente como foi possível ter sido criada uma série apartir dele, só uma mente genial conseguiria criar uma cidade e uma teia de mistério e crimes, de uma forma tão pormenorizada, intricada e perfeita, como Stephen King o fez.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

A princesa de Gelo de Camilla Lackberg (Opinião)

Sem comentários:


Sinopse
De regresso à cidadezinha onde nasceu depois da morte dos pais, a escritora Erica Falk encontra uma comunidade à beira da tragédia. A morte da sua amiga de infância, Alex, é só o princípio do que está para vir. Com os pulsos cortados e o corpo mergulhado na água congelada da banheira, tudo leva a crer que Alex se suicidou.
Quando começa a escrever uma evocação da carismática Alex, Erica, que não a via desde a infância, vê-se de repente no centro dos acontecimentos. Ao mesmo tempo, Patrik Hedström, que investiga o caso, começa a perceber que as coisas nem sempre são o que parecem. Mas só quando ambos começam a trabalhar juntos é que vem ao de cima a verdade sobre aquela cidadezinha com um passado profundamente perturbador…

Existem alturas em que não sabemos bem o que ler quando acabamos um livro que nos marcou. Eu sou uma pessoa que adora quase todo o género de literatura, mas desde muito nova, os policiais têm sido os vencedores. Tendo acabado de ler um thriller psicológico arrepiante (Objectos cortantes de Gillian Flynn), achei que pegar num romance, seria o ideal para aliviar um pouco da mente da sordidez do livro. Mas, a escolha acabou por cair novamente sobre um policial, e desta vez de Camilla Lackberg, uma estreia para mim. Já há muito tempo que oiço falar nos livros dela, e com a saída recente de um novo livro, nada como começar com o primeiro, "A princesa de Gelo". O facto "engraçado" e posso-lhe mesmo chamar coincidência, é que tanto num como no outro livro, as lâminas estão em destaque, se bem que por motivos diferentes. Outra coisa é que se num livro a personagem principal era uma jornalista, neste ela, sim uma mulher, é escritora. 
A primeira coisa que me chamou a atenção é a escrita fácil e fluída da autora. Conseguiu agarrar-me desde a primeira página, o que nem sempre é fácil.
A história começa pelo que parece inicialmente o suicídio de Alex, que é encontrada na banheira com os pulsos cortados e com a água gelada a rodeá-la. Erica, amiga de infância de Alex, é uma das primeiras pessoas a encontra-la. Quando os pais de Alex lhe pedem para escrever um panegírico, começa a falar com as pessoas que conviveram com elas nos últimos 25 anos, marido, família e amigos.
Aos poucos ela vai ficar a conhecer facetas da antiga amiga com as quais ela não poderia sequer sonhar. Como é que Alex, uma mulher rica e de classe se vai envolver com um pintor bêbedo que é o completo oposto dela? E porque é que tinha escondido um recorte com 25 anos, do desaparecimento do filho de umas das famílias mais ricas, se na altura do acontecimento ela não passava de uma criança? E qual é o papel de Júlia, irmã mais nova de Alex, no meio disto tudo? Ela que sempre foi o patinho feio da família. E porque é que de repente esta se começa a dar com Nelly Lorentz, mãe do desaparecido? E quem será o pai do filho de Alex que nunca chegou a nascer?
Será Erica e Patrick, um antigo colega dela de escola e actualmente policia na cidade que se vão ajudar mutuamente a desvendar os segredos que toda a gente teima em esconder
Tantas perguntas para responder e às quais só a poucas paginas do fim vamos tendo resposta.
Um desfecho surpreendente, cheio de suspense e que à medida que avançamos na narrativa nos deixa cada vez mais presos à história.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Passatempo "Liberta-me"

Sem comentários:
Com o apoio editorial da TopSeller temos para oferecer um exemplares do livro Liberta-me de J. Kenner. Boa sorte a todos.

As regras estão descritas abaixo e o vencedor é escolhido aleatoriamente através do random.org
1 - Podem participar até dia 8 de dezembro às 23H59 e o vencedor será escolhido pelo random.org.
2 - Só é aceite uma participação por pessoa / e-mail.
3 - É obrigatório ser seguidor público do blog
4 - É obrigatório ser fã da nossa página do facebook, clicar aqui
5 - Só serão consideradas as respostas que mencionem os dados pedidos.
6 - Passatempo válido apenas para Portugal Continental e Ilhas.
7 - O nome do vencedor será publicado no blogue e o mesmo será contactados por email.
8 - A entrega do prémio ficará a cargo da administração do blog.
9 - A Administração do Blog e a editora não se responsabilizam por qualquer atraso ou extravio dos CTT.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Resultado do passatempo "O Abrigo da Esperança" e Desabafo

1 comentário:
Depois de verificar as entradas e realizar o sorteio aqui fica o resultado do passatempo"O Abrigo da Esperança" de Debbie Macomber que teve 123 entradas válidas e a vencedora foi:

Liliana (..) Martins da Maia



Aproveito para dizer às duas participantes que disseram que não seguem o blog uma delas tendo referido que não há nada nas regras que obrigue a tal que está implicito a obrigatoriedade de seguir o blog a partir do momento que coloco como obrigatório o nome de seguidor do blog mas agradeço por terem indicado essa falha nas regras que começarão a ser mais rigidas, é uma pena que não tenham respeito por quem se esforça para vos trazer bons passatempos desdenhando o trabalho, dedicação  e entrega ao blog. Esquecem-se que passamos várias horas do dia a trazer aos leitores o que de melhor conseguimos oferecer sem qualquer remuneração implicada.

Quando tu eras meu, de Rebecca Serle [Opinião]

Sem comentários:


Sinopse:
E se a maior história de amor de todos os tempos estivesse enganada?
Todos pensam que Romeu e Julieta foram impotentes face ao seu destino, que ficaram à mercê do amor que nutriam um pelo outro.
Não é verdade.
Julieta não era nenhuma rapariga doce e dilacerada pelo destino. Ela sabia exactamente o que fazia. O problema é que Shakespeare não. Romeu não pertencia a Julieta; pertencia-me a mim. Devíamos ficar juntos para sempre e teria sido assim se alguém não mo roubasse. Talvez isso pudesse ser evitado. E então talvez ainda estivesse vivo.




Quem conhece a história de Romeu e Julieta sabe que esta é uma tragédia que termina com a morte dos dois apaixonados. Este livro recria essa história voltando-a para a actualidade, porém este não é o casal protagonista, felizmente, mas ainda assim retrata momentos de grande tristeza e sofrimento. Quando iniciei a leitura confesso fiquei desiludida, não sei bem o que esperava mas não era de todo o que estava a ler até que comecei a ficar agarrada à leitura e em poucas horas devorei este livro ficando mesmo emocionada quando a noticia que aguardamos desde o inicio chega finalmente.

A narrativa começa com o inicio do ano lectivo, Rosalina uma jovem de 17 anos é finalista no liceu que frequenta com as suas melhores amigas Olivia e Charlie, as três são raparigas bonitas, populares e boas alunas e é-nos descrito ao longo das páginas os seus dramas de adolescente. O melhor amigo de Rose, Rob esteve fora numa colónia de férias durante o verão e apesar de se conhecerem desde muito pequenos começa a surgir algo mais romantico entre eles.

É nessa altura que Rose descobre que a sua prima Julieta está de volta à cidade, o problema é que apesar de terem sido grandes amigas em criança quando Julieta vai para Los Angeles com os pais a relação das duas arrefece e a jovem não sabe o que esperar, mas uma coisa é certa não era certamente que um dia depois de se ter começado a envolver com Rob que este se apaixonasse perdidamente pela sua prima.

A autora retrata com pericia a vida dos adolescentes, consegue imbuir o espirito teen na narrativa com mestria usando expressões comuns, as saída, os amigos, a forma como se relacionam. A leitura é bastante rápida, alias como eu referi li o livro em apenas algumas horas. A história de amor que vemos surgir é lindissima, eu consegui prever de inicio que ali haveria qualquer coisa e a forma fantástica como Rebecca Serle consegue descrever as cenas mais dramáticas imprimindo uma dor tão genuina é avassalador, o sofrimento é realmente palpável de uma forma impressionante. Outro aspecto que me agradou bastante no livro foi o facto de ver como a aparência e a reputação afectam o que se pensa em relação a alguém até se ter um contacto mais directo. Por isso a minha personagem preferida neste livro é sem dúvida o Len porque quando vamos desfiando as camadas que ele mostra e o vamos conhecendo descobrimos alguém espectacular.

A quem for ler aconselho a que caso não fique agarrado nas primeiras páginas insistam, eu também não fiquei de inicio devido à linguagem juvenil utilizada mas depois a história torna-se tão boa que é impossível não nos apaixonarmos.

domingo, 17 de novembro de 2013

Cartas da Nossa Paixão de Karen Kingnsbury

Sem comentários:
Cartas da Nossa Paixão

Sinopse:
Um romance belo e sofrido que prova que as histórias de amor merecem o milagre de uma segunda oportunidade. Ellie Tucker e Nolan Cook são mais do que amigos.

Apesar de terem apenas quinze anos, ele repete-lhe constantemente que ela nunca irá encontrar alguém que a ame tanto. Mas uma tragédia familiar obriga Ellie partir subitamente. Na véspera desse dia triste, ela e Nolan sentam-se sob o velho carvalho do parque onde partilharam tantos momentos felizes e escrevem uma carta um ao outro, que enterram numa caixa de metal enferrujado. Combinam regressar exatamente onze anos depois, e lerem em conjunto as duas cartas. Passaram os anos e os dois nunca mais se encontraram. Ellie tem hoje vinte e seis anos e é mãe solteira, lutando diariamente para sustentar a sua filha. Nolan conseguiu realizar o sonho de se tornar jogador de basquetebol e é uma famosa estrela da NBA. Mas desde o dia em que o pai sucumbiu a um ataque cardíaco, Nolan sofre com a solidão. Afogado num oceano de dor, pensa frequentemente em Ellie, a paixão da adolescência que nunca esqueceu, e na inocência da infância que partilharam. À medida que se aproxima a data, Ellie e Nolan sonham com o reencontro sob o velho carvalho. Mas será que, onze anos depois, ainda há alguma hipótese de serem felizes?



Não tenho por hábito ler sinopses de livros de autores que li e gostei muito. Karen Kingsbury é um exemplo desses. Depois de ter lido a sua obra anteriormente com o fofíssimo "Dias de eternidade", "Cartas da nossa paixão" entrou na wishlist sem lhe dar uma vista de olhos sobre o que se tratava. Quando, em vésperas de iniciar a sua leitura me apercebi que era um romance religioso fiquei tristíssima. Não sou católica, protestante, testemunha de Jeová..etc, não sou religiosa, e por isso tenho sérias dificuldades em identificar-me com o que há partida não acredito. Depressa previ que Deus se tratasse aqui como de uma personagem secundária ou até mesmo principal e não me enganei. É constante a presença ou a menção à religião, à fé, à Bíblia, ao rezar, à igreja..enfim a tudo o que esteja relacionado com este tópico. 

Religiosidades à parte, o livro tem tudo para ser fofo e agradável. É a típica estória dramática que no fundo ensina a perdoar e esquecer o passado e aceitar o presente para avançar no futuro sem remorsos. Adoro livros assim, o anterior da autora também tinha esta fórmula mas realmente o que me estragou a leitura foi sempre a referente a Deus. Se não houvesse nenhum referência, este seria o romance perfeito pois é um tipo de livro que gosto. Relembra vários lemas da vida que nos vamos esquecendo na sociedade em que vivemos, que a vida é demasiado curta e que os erros podem ser emendados e relações quebradas podem ser reconstruídas. É um género batido, sem dúvidas mas de vez em quando sabe bem ler um livro assim e percebermos que esta até poderia ser a nossa estória de tão realista que é. 

A par das várias personagens que o livro apresenta, umas com mais simpatia outras nem por isso, não há dúvida algum que a alma do livro é o casal Ellie e Nolan. Amigos de infância e primeiro amor de um do outro separam-se por circunstâncias da vida que são-lhes impossíveis e combater mas é sempre com a amizade e o amor que sentem um pelo o outro que irão viver. Eu simplesmente adorei o romance entre os dois, achei tão bela a maneira como a autora expressou os sentimentos de ambos, de uma maneira tão pura e inocente, até me fez esquecer que isto era um romance religioso. =) 

O problema do livro? Por ser tão banal é facilmente esquecível, aliás do anterior da autora lembro-me muito pouco e sei que com este o mesmo irá acontecer. É um livro que se lê mas não marca, que dá-nos algum material de pensamento, de sentimento mas pouco papável e pouco duradouro na nossa mente. Eu gostei e recomendo tanto um como o outro mas sinceramente se não os tivesse lido, pouca diferença faria. 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Encontro inesperado de Jill Mansell [Opinião]

2 comentários:


Para mais informações acerca do livro, clique AQUI


Sinopse

Uma comédia romântica perfeita. -Kirkus 

Na véspera do seu casamento, Poppy Dunbar conhece Tom. Ele é alto, atraente, dono de um sorriso irresistível, e Poppy não consegue livrar-se da sensação de o ter conhecido toda a vida. Combinam um encontro mas a jovem não tem coragem para aparecer. O problema é que também já não consegue avançar com o casamento. Ganhando subitamente fama de destruidora de corações, Poppy decide partir para Londres e começar tudo de novo. Instala-se na casa boémia de Caspar French, um belíssimo jovem artista com reputação de sedutor, mas nem assim consegue esquecer Tom. E enquanto não o voltar a ver, nunca saberá se o encontro deles estava destinado, ou se foi apenas uma questão de timing...





A leitura deste livro foi como o espreitar por uma fechadura, género Alice no País das Maravilhas, e deparar-me com a cidade de Londres vestida com as suas cores mais garridas! Antes de mais tenho de confessar que adoro a forma de escrita de autores ingleses. Para quem leia autores americanos e ingleses, nota-se uma série de diferenças bastante peculiares. Na minha modesta opinião, e tendo o cinema como comparação, acho que os americanos conseguem de alguma forma ir mais além no que diz respeito por exemplo, a efeitos especiais, fotografia, guarda-roupa, entre outros, no entanto, os autores ingleses conseguem colorir com as mais brilhantes cores os seus romances! O ritmo desta autora pode ser descrito no mínimo, como frenético, as personagens vivem as suas vidas numa corrida de emoções resvalando um pouco a bipolaridade!

Falando um pouco do livro, como já vem sendo hábito, apesar de existir um casal de protagonistas Poppy e Tom, em seu redor encontramos «romances satélites», neste caso entre a exuberante Claudia e o dono de uma loja de antiguidades, Jake Lander. O que é que estes dois têm em comum??? Aparentemente nada! Como é dito na sinopse, Poppy termina o seu casamento no próprio dia, o noivo ainda confunde o final da relação com nervos de noiva mas Poppy é firme, termina o casamento, é colocada na rua pelo pai e viaja até Londres onde acaba por conseguir alugar um quarto em casa do playboy Casper! Entre ambos cresce uma certa cumplicidade embora ambos passem 80% do livro a negar que afinal aquela empatia que carateriza a relação de ambos, é algo mais do que uma simples amizade.

Casper continua com as suas conquistas, inicialmente para tristeza de Claudia que por ele tinha um fraquinho (por ele ou pelo seu dinheiro). Já Poppy vai gozando com as várias conquistas de Casper, no entanto, ao longo da trama essas começam a fazerem-se sentir um pouco como aquela pedrinha mínima que temos na bota, que não nos damos ao trabalho de descalçar mas que ao fim de umas horas já tomou a proporção de um seixo enorme e cheio de bicos!!!!

Quando os dois estão por um fio de reconhecer os sentimentos de ambos, Jake faz o impensável, encontra Tom, sim o tal pelo qual Poppy desistiu do casamento e que apenas o viu mais uma vez de relance e, aparentemente ele é tão querido/charmoso/glamoroso como à primeira vista! No entanto como já dizia a minha avó, nem tudo o que brilha… é oiro! Mais não digo!

Jill Mansel é uma autora que associo sempre ao Natal, perguntem-me porquê mas sou incapaz de dar uma resposta, talvez porque no fundo no fundo, adorasse conhecer Londres no período do Natal, talvez porque um dos meus filmes preferidos desta época festiva seja O Amor Acontece, talvez por causa disso tenha passado o livro todo a associar o pai de Cláudia ao actor Billy Mack! Mas os seus romances são como desembrulhar um presente de Natal que nos aquece por inteiro, um cruzamento entre uma manta quentinha e uma caixa dos nossos chocolates preferidos! Este tornou-se sem dúvida, um dos meus preferidos. Aconselho a sua leitura sem quaisquer reservas!

Objectos cortantes de Gillian Flynn (Opinião)

Sem comentários:

Sinopse
As palavras são como um mapa de estradas para o passado perturbado da jornalista Camille Preaker. Acabada de vir de uma estadia breve num hospital psiquiátrico, o primeiro artigo que o jornal de segunda categoria onde Camille trabalha lhe atribui leva-a relutantemente de volta à sua cidade natal para cobrir o assassinato de duas pré-adolescentes.
Desde que saiu da cidade há doze anos, Camille raramente falou com a sua neurótica e hipocondríaca mãe, nem com a meia-irmã que mal conhece: uma bela rapariga de treze anos que exerce uma misteriosa influência sobre a cidade. Agora, instalada de novo na mansão vitoriana da família, Camille é assombrada pela tragédia de infância que passou toda a vida a tentar amputar da memória.
Enquanto Camille se esforça por revelar a verdade sobre estes crimes violentos, começa a sentir-se identificada com as vítimas - talvez um pouco demasiado. As pistas conduzem-na constantemente a lado nenhum, forçando Camille a desvendar o quebra-cabeças psicológico do seu passado para chegar ao cerne da história. Acossada pelos seus próprios demónios, Camille terá de confrontar o que lhe aconteceu há anos atrás se quiser sobreviver a este regresso a casa.
Arrepiante, escabroso, assombroso, e nem sei bem o que dizer mais. Nada, mas nada me preparou para o fim que este livro teve. É simplesmente impiedoso e perturbado.
O que esperava deste livro? Sinceramente não sei. A capa arrepia. Uma lamina pode servir para muita coisa, mas para nada de bom quando está "sozinha". 
O livro começa por nos apresentar Camille uma jornalista num jornal de pouco destaque. O patrão e amigo, resolve envia-la para a cidade natal dela para cobrir o assassinato de 2 meninas que aconteceram lá. Mesmo sem vontade de enfrentar a mãe controladora ela resolve ainda assim partir para descobrir o máximo possível sobre as mortes das meninas. 
Também ela uma miúda problemática, e actualmente uma mulher cheia de marcas do passado, ela começa a sentir-se demasiado envolvida emocionalmente, principalmente quando a mãe, que nunca lhe ligou a começa a querer "amar". Qual a razão desta mudança? E será que a Marian, a sua irmã mais nova, morreu mesmo de causas naturais, tantos anos antes?
Um drama psicológico e sinistro que nos deixa boquiabertos com o que o ser humano é capaz de fazer. A frieza com que matam e profanam os corpos, e a vida aparentemente normal que levam depois, deixaram-me a pensar que nunca conhecemos verdadeiramente as pessoas com quem convivemos.
Uma escrita fácil, com o ritmo certo para acompanhar cada etapa da narrativa.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Princesa Mecânica, de Cassandra Clare [Opinião]

Sem comentários:
O grande final da empolgante prequela da série Caçadores de Sombras. 
O perigo, a traição, os segredos, os feitiços, o amor e a morte entrelaçam-se quando os Caçadores de Sombras quase se autodestroem neste final de cortar a respiração da trilogia As Origens.

 
Sinopse
Último livro da sequela de sucesso da série Caçadores de Sombras, que nos mostra as suas Origens. Tessa Gray devia estar contente, como todas as noivas! Mas, enquanto se prepara para o casamento, uma rede de sombras envolve os Caçadores de Sombras do Instituto de Londres. Surge um novo demónio, ligado pelo sangue e secretismo a Mortmain, o homem que tenciona usar um exército de impiedosos autómatos, os Instrumentos Infernais, para destruir os Caçadores de Sombras. O perigo, a traição, os segredos, os feitiços, o amor e a morte entrelaçam-se quando os Caçadores de Sombras quase se autodestroem na conclusão de cortar a respiração da trilogia de os Caçadores de Sombras, as Origens.



Cassandra Clare era uma das minhas autoras preferidas mas chegou ao topo é mesmo A preferida e subiu na minha consideração ao patamar de génio literário. Nunca o final de um livro mexeu tanto comigo, foi verdadeiramente um turbilhão de sentimentos ao ponto de as lagrimas correrem-me pela cara com a emoção. O epílogo é algo de transcendente. Mas comecemos pelo inicio.

Este é o final há muito aguardado desta maravilhosa trilogia e despedi-me com destas personagens com tristeza pois fiquei totalmente rendida aos acontecimentos. Este último livro é recheado de acontecimentos surpreendentes, voltas e reviravoltas impressionantes. Combates violentos, cheios de ação,declarações de amor de aquecer o coração, eventos de tristeza desmedida. É dificil colocar em palavras todas as emoções que sentimos ao ler este livro. Como escolher entre Will e Jem? Dois amigos que se amam como irmãos e que amam a mesma rapariga que por seu lado os ama com a mesma medida? Como se escolhe metade da felicidade? Como se pode desejar que as duas pessoas que mais se ama não sejam felizes? Não se consegue fazer essa escolha nem desejar tais coisas.

Ficamos finalmente a saber o que Tessa é realmente e como isso influencia toda a história, para que Mortmain a criou e como isso ajuda à sua vingança, como foi criado o anjo mecânico que a jovem trás ao pescoço (e esta foi uma grande revelação). O vilão consegue raptar a jovem da porta do Instituto para esta servir os seus propósitos.

Will mostra a sua bondade e fragilidade, o desespero como tenta ajudar o seu parabatai a desilusão e dor ao ver os seus esforços gorados. Jem é igual a si próprio nunca se exaltando, sendo racional e ao mesmo tempo completamente apaixonado. 

Entre chantagens e traições, Charlotte é levada a tomar decisões que colocam em causa a sua posição dentro do Instituto. Cecily, irmã de Will é uma personagem muito engraçada e interessante e do alto dos seus 15 anos mostra uma maturidade invulgar. Gostei bastante dela. Houve vários finais felizes bastante previsiveis ao longo do livro e adorei cada um deles.

Toda esta história está construida de forma soberba o final concebido para Will, Tessa e Jem foi um toque de mestre. Foi com certeza o melhor final que já li num livro/trilogia/série. A autora consegue agarrar-nos de uma forma quase violenta. A leitura é completamente compulsiva, é impossível largar as páginas e vemos as cenas a desfilarem à nossa frente. É avassalador a maneira como os sentimentos brotam do nosso peito ao ler o epílogo, julgo que nunca conseguirei exprimir por palavras a tristeza que se abateu sobre mim quando fechei o livro e dei a leitura por terminada por é uma das melhores trilogias que li. Quem quer ler este livro não espere mais, leiam não se irão arrepender, não deixem o livro ganhar pó na estante. Faltando pouco mais de um mês para o ano terminar julgo não errar ao dizer que este foi o melhor livro que li este ano mas se errar não sairá do meu top 3. Aconselhadíssimo.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Passatempo "O Abrigo da Esperança"

Sem comentários:
O blog lança hoje em parceria com a Editoral Presença, um passatempo onde se encontra a sorteio o novo livro de Debbie Macomber "O Abrigo da Esperança"
As regras são as do costume e o vencedor é escolhido aleatoriamente através do random.org
1 - Podem participar até dia 17 de novembro às 23H59 e o vencedor será escolhido pelo random.org.
2 - Só é aceite uma participação por pessoa / e-mail.
3 - Só serão consideradas as respostas que mencionem os dados pedidos.
4 - Passatempo válido apenas para Portugal Continental e Ilhas.
5 - O nome do vencedor será publicado no blogue e o mesmo será contactados por email.
6 - A entrega do prémio ficará a cargo da Editora.
7 - A Administração do Blog e a Editorial Presença não se responsabilizam por qualquer atraso ou extravio dos CTT.
Pode encontrar as respostas aqui no blog.
Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.


"Ínclita Geração" de Isabel Stilwell (Opinião)

3 comentários:
Sinopse
Era feita de luzes e de sombras. O pintor flamengo Van Ecky havia entendido a sua essência como ninguém e pintado as linhas do seu rosto e o seu caráter, em dois quadros distintos, para mostrar ao noivo Filipe III, duque da Borgonha. Um feito de luzes, outro feito de sombras. Isabel, tal como a sua mãe, D. Filipa de Lencastre, casava tarde. E a ideia de deixar Portugal, o pai envelhecido, os cinco irmãos em constante desacordo, e Lopo, irmão de leite e melhor amigo, para partir para um país longínquo e gelado atormentava-lhe o coração. Era a terceira mulher de Filipe, já duas vezes viúvo, esperava vir a dar-lhe o herdeiro legítimo de que Borgonha tanto precisava. A sua fama de mulherengo atravessava fronteiras… Mas Isabel sabia que nascera para cumprir um destino, ser a Estrela do Norte, que firme no céu indica o caminho. Saberia mudá-lo, torná-lo num homem diferente, acreditava Isabel. Na manga levava um trunfo que apenas partilhava com o seu irmão Henrique e com o seu fiel Lopo, na esperança de se tornar senão amada, pelo menos indispensável. Mas ao longo da sua vida, as sombras foram ganhando terreno e os acontecimentos precipitaram-se numa espiral que Isabel não conseguia travar, e de que apenas o seu filho a podia salvar.   Isabel Stilwell, a autora de romances históricos mais lida em Portugal, regressa à escrita com a surpreendente história de Isabel de Borgonha, a única mulher da chamada Ínclita Geração. A geração perfeita, filhos de Avis, cantada por Camões, que marcou, cada um à sua maneira, a História de Portugal. Um romance empolgante que acompanha a vida desta mulher do século XV, que assumiu com inteligência e determinação o seu papel no governo de Borgonha urdindo alianças com França e Inglaterra, que procurou salvar Joana d' Arc da morte, abriu os braços aos sobrinhos fugidos de Portugal, num período de tumultos e divisões. Foi aliada das descobertas do infante D. Henrique, assistindo impotente à morte do seu querido irmão D. Fernando às mãos dos infiéis… Uma mulher que nunca esqueceu que era filha de Filipa de Lencastre e princesa de Portugal.

Esta autora foi uma estreia para mim. Alias, descobri este ano que adoro relatos históricos. Eu que, quando estudava, a disciplina de história era daquelas que passava com um mísero 12 e bem suado.
Mas no inicio deste ano li um romance histórico, depois outro e agora quero ler cada vez mais.
Quando me foi dada a oportunidade e de ler este, claro que nem sequer hesitei. No entanto se estão à espera de um romance cor de rosa, desiludam-se porque não o é. 
O livro da-nos a conhecer a vida da Isabel de Lencastre, filha do rei D. João I, princesa de Portugal, depois duquesa da Borgonha pelo casamento.
Um relato apaixonante, intenso, mas com uma dureza e realidade impressionante. Um relato que nos consegue prender da primeira à ultima pagina, mesmo quando os desenvolvimentos envolvem mortes, perdas, o que acontece muito. A história de vida de uma mulher de coragem que abandonou o seu país, mas mesmo ao longe nunca deixou de estar ligada a ele e a fazer tudo para o dar a conhecer ao mundo e levar o cristianismo o mais longe possível.
Um livro que me surpreendeu muito pela positiva pela forma como está descrito. Uma linguagem acessível, mesmo quando o diálogos são num "português antigo".
Uma leitura que, porque mesmo depois de acabado ainda damos por nós a reviver um pouco da vida de uma Senhora que se tornou ao longo das paginas como uma conhecida intima. Uma personagem com quem choramos, rimos, sofremos e nos enfurecemos. Uma princesa que podemos "ver" através das páginas com ilustrações com que a autora nos presenteia.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

[Novidade] O Abrigo da Esperança [Editorial Presença]

Sem comentários:

O Abrigo da Esperança

Debbie Macomber

Título Original: Rose Harbor in Bloom
Tradução: Isabel Andrade
Páginas: 336
Coleção: Grandes Narrativas Nº 564

Data de Publicação: 5 Novembro 2013

A RAINHA ATUAL DA FICÇÃO NO FEMININO
SEGUNDO VOLUME DE AUTORA AMERICANA
BESTSELLER DO NEW YORK TIMES E DO USA TODAY

Este é o segundo volume da série iniciada pela autora com A Estalagem de Rose Harbor‚ um livro que conheceu uma extraordinária receção em todo o mundo e também já publicado pela Presença. Jo Marie Rose, perante a perda quase certa do marido no Afeganistão, resolveu mudar a sua vida e comprar uma encantadora estalagem, numa acolhedora cidade à beira do Pacífico, onde pudesse receber hóspedes e proporcionar-lhes um ambiente familiar e cheio de paz. No início deste segundo livro, a primavera chegou, os rododendros carmesim e as azáleas vermelhas floresceram no jardim da estalagem e Jo Marie Rose espera ansiosamente a chegada de hóspedes. Reencontraremos pessoas que já conhecemos no volume anterior, e conheceremos outras que ali vão em busca de calor humano e talvez de uma segunda oportunidade de serem felizes.

Debbie Macomber é uma voz incontornável da ficção feminina. Vários dos seus romances alcançaram os lugares cimeiros das tabela de bestsellers do New York Times,  USA Today e Publishers Weekly. Os seus livros deram origem a séries televisivas de êxito e foram várias vezes premiados. Os mais de 100 romances que escreveu, além de livros de não-ficção e livros infantis, atingiram já cerca de 170 milhões de livros vendidos em todo o mundo. O primeiro volume desta série está publicado pela Presença, nesta mesma coleção.

GÉNERO: Ficção e Literatura/Romance Contemporâneo.

PÚBLICO-ALVO: Público adulto, especialmente feminino.

CITAÇÕES IMPRENSA ESTRANGEIRA:

«As legiões de fãs de Macomber vão acolher com grande satisfação esta leitura reconfortante e animadora.» - Booklist

«Macomber é uma instituição no universo da ficção feminina.» - Shelf Awareness

«Uma autora premiada no seu melhor.» - Barnes & Noble

Mais informações sobre o livro  O Abrigo da Esperança, clique aqui