Crónicas de uma Leitora: Outubro 2013

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

[Novidade] O VOO DO CORVO Série Shadowfell de Juliet Marillier [Planeta]

2 comentários:
A autora best-seller do romance fantástico está de volta com a continuação de uma série que seduziu definitivamente os fãs.
                              O VOO DO CORVO Série Shadowfell de Juliet Marillier


Com a maestria e talento a que já nos habituou e uma narrativa empolgante, Juliet Marillier constrói um romance com personagens femininas muito fortes e uma nova que irá encantar os leitores: Tali, uma sagaz guerreira de Shadowfell. 

Juliet Marillier vem a Lisboa, nos dias 6 e 7 de Novembro para o lançamento deste novo livro.


Depois de concluir a sua longa e árdua viagem até à base dos Rebeldes em Shadowfell, Neryn tornou-se uma parte vital da rebelião contra o tirânico rei Keldec. Cada passo que dá no sentido de aperfeiçoar os seus dons e afirmar-se como uma Voz poderosa e única na sua geração leva-os mais perto da meta pretendida. Mas, primeiro, Neryn terá de procurar os Guardiães das quatro Vigias para completar o seu treino e o tempo escasseia. Entretanto, Flint, o espião rebelde por quem se apaixonou, foi de novo chamado à corte de Keldec.  O laço que os une é tão forte que, mesmo à distância, se procuram em sonhos, partilhando momentos preciosos – ainda que inquietantes – da vida um do outro.
Os Rebeldes vêem com desconfiança este novo amor. Permitir que a emoção se sobreponha à lógica fria do movimento pode pôr tudo em risco. No fim, o amor poderá revelar-se a força motriz da esperança ou a brecha traiçoeira na armadura da rebelião. 


Sobre a autora

Juliet Marillier nasceu na Nova Zelândia, em Dunedin, uma cidade com fortes raízes na tradição escocesa. Licenciou-se com distinção em Linguística e Música, na Universidade de Otago, e tem tido uma carreira variada que inclui o ensino, a interpretação musical e o trabalho em agências governamentais. Actualmente, Juliet vive numa casa de campo centenária, perto do rio, em Perth, na Austrália, onde escreve a tempo inteiro. É membro da ordem druídica OBOD. Partilha a sua casa com dois cães e um gato. Juliet Marillier é uma autora internacionalmente reconhecida e os seus romances já conquistaram vários prémios.
Visite o sítio da autora em: www.julietmarillier.com

[Novidade] SOB O CÉU QUE NÃO EXISTE de Veronica Rossi [Planeta]

Sem comentários:

Primeiro livro de uma electrizante trilogia ambientada num futuro fictício, mas assustadoramente possível.
Personagens cativantes e um enredo de cortar a respiração que envolvem de tal forma o leitor que se torna impossível parar a leitura.

«O romance de Veronica Rossi transcende. Há uma luminescência no seu mundo, que nega as tristes realidades de degradação ambiental. Um trabalho de mestre.»
 School Library Journal

UMA ALIANÇA IMPROVÁVEL NUM MUNDO PERIGOSO. UMA AVENTURA DE TIRAR A RESPIRAÇÃO.  UM ROMANCE INESQUECÍVEL



O mundo mantinha-os separados, mas o destino reuniu-os. Aria viveu toda a vida no Casulo protegido de Reverie. Este era o seu mundo e nunca pensou sobre o que estaria para lá das fronteiras.
Mas, quando a mãe desaparece, Aria vê-se confrontada a sair para o exterior para a procurar, e a sobrevivência no deserto o tempo suficiente para a encontrar parece impossível. Então Aria encontra um estranho chamado Perry. Ele também está à procura de alguém. Mas é um Externo, um Selvagem, contudo é a única pessoa capaz de a manter viva na travessia do deserto. E se conseguirem sobreviver serão a esperança um do outro para encontrar respostas às perguntas que vão surgindo à medida que se vão conhecendo.

O QUE DIZ A CRÍTICA

«Veronica Rossi faz a façanha de nos oferecer perspectivas duplas. Na sua construção não só do mundo como da linguagem, criando linguagens para as diferentes personagens e adicionando tensão. As suas personagens são corajosas e complexas e a escrita suave e evocativa. Inspirador, exigente e hipnotizante.»
 Kirkus Reviews

«Uma obra-prima inesquecível da distopia.»
Examiner.com

«Os fãs de Jogos da Fome vão adorar e brindar a Aria, com a transformação para guerreira ao longo do romance. Perry é uma figura enigmática, cujo passado emerge lentamente e cuja força de carácter é apenas justificado por ser humano.»
Booklist

Sobre a autora

Formou-se na UCLA e estudou Arte no California College of the Arts, em São Francisco. Começou a escrever ficção para adolescentes e recebeu os primeiros prémios dos concursos anuais da Pacific Northwest Writers Association e da SouthWest Writers antes de terminar Sob o Céu Que não Existe.
Desde então, é requisitada por editoras de todo o mundo e já recebeu um convite da Warner Bros.
Veronica vive no Norte da Califórnia com o marido e os dois filhos.

Pode visitá-la no Facebook ou em www.veronicarossi.com

"O tempo entre costuras" de Maria Dueñas [Opinião]

Sem comentários:

Sinopse:

«O Tempo entre Costuras» é a história de Sira Quiroga, uma jovem modista empurrada pelo destino para um arriscado compromisso; sem aviso, os pespontos e alinhavos do seu ofício convertem-se na fachada para missões obscuras que a enleiam num mundo de glamour e paixões, riqueza e miséria mas também de vitórias e derrotas, de conspirações históricas e políticas, de espias.

Um romance de ritmo imparável, costurado de encontros e desencontros, que nos transporta, em descrições fiéis, pelos cenários de uma Madrid pró-Alemanha, dos enclaves de Tânger e Tetuán e de uma Lisboa cosmopolita repleta de oportunistas e refugiados sem rumo.




Um livro que, pela sinopse, me chamou logo a atenção. Um livro que muito tem a ver comigo, por também eu gostar de costuras. Um livro que, embora com muitas descrições, não se torna nada maçudo.
Sira, filha de uma costureira, e também ela aprendiz, vive em Espanha com a mãe. Nunca conheceu o pai e não tem mais irmãos. Têm uma vida humilde, mas entre as duas vão sobrevivendo, com o pouco que têm.
Estando a correr os anos 20 do sec XX, e não tendo grandes estudos, Sira, vê-se a braços desde muito cedo a aprender a costurar no atelier da D. Manuela para ajudar às despesas da casa. Um mundo onde ela entra em contacto com as senhoras chiques da época e ao qual ela sonha aceder um dia. Encontra em Ignacio um namorado e futuro marido. Mas quando Ignacio resolve que ela deverá aprender a escrever à máquina para se tornar funcionária pública, a roda muda de direcção e o futuro que ela tinha destinado para eles depressa se desmorona.
Nunca ela sonhou que ao entrar na loja de máquinas de escrever para comprar uma onde aprender, o seu mundo iria ficar virado do avesso. É lá que conhece Ramiro. Um sedutor que lhe promete este mundo e o outro, ao contrário do humilde Ignacio. Sira, depressa rompe o noivado com ele e lança-se numa paixão louca com Ramiro. Quando este lhe começa a apresentar negócios, investimentos e a convida para ir com ele para Marrocos, ela nem hesita. Larga a mãe, a casa e a vida que tinha e parte com ele para um país desconhecido. E se nos primeiros tempos lhe parece tudo um mar de rosas, depressa isso muda. Um dia Sira acorda sem Ramiro a seu lado. Ele fugiu, levou-lhe o dinheiro e as jóias e deixou-a com contas para pagar. Vê-se assim a braços com a justiça e é obrigada a voltar a costurar para pagar o que deve.
É quando abre um atelier com a ajuda de Candelária, uma amiga que a acolheu quando sai do hospital depois de ter abortado, que ela começa a conhecer as mulheres de altos comissários espanhóis, ingleses e alemães, na altura em que se estavam a viver os primeiros tempos antes da 2ª grande guerra.
Sem saber muito bem como, ela dá por si a espiar conversas e a passa-las aos aliados.

Passado ao longo de vários anos, desde o fim dos anos 20 até ao pós-guerra, a autora vai-nos dando a conhecer uma história incrível de uma mulher de coragem e lutadora que passou por muito para conquistar a posição que alcançou. Viveu sempre na corda bamba, com medo de ser apanhada e presa. No entanto nunca desistiu. Conheceu pessoas influentes, frequentou festas da alta sociedade sempre demonstrando uma confiança que não tinha. Conseguiu pagar a dívida que Ramiro lhe deixou, e ainda voltou a Madrid onde abriu um novo atelier.
Um livro que nos agarra desde a primeira páginas pela simplicidade com que está escrito. Tendo muitas descrições, estas não se tornam maçudas e ficamos a conhecer um pouco mais dos bastidores da 2ª Grande Guerra.
Sem dúvida um livro que me vai deixar marcada. No entanto não posso deixar de fazer uma pequena alusão ao fim que deixa em aberto os destinos de todas as personagens que conhecemos ao longo do livro. Na minha opinião, a autora deveria de nos ter dado um pouco mais sobre o desfecho deles, mesmo sendo, como ela própria diz, "personagens ficticias".

Passatempo "Encontro Inesperado"

4 comentários:
Com o apoio das Edições Chá das Cinco este mês temos para oferecer dois exemplares do livro Encontro Inesperado de Jill Mansell. Boa sorte a todos.



As regras são as do costume e o vencedor é escolhido aleatoriamente através do random.org
1 - Podem participar até dia 15 de novembro às 23H59 e o vencedor será escolhido pelo random.org.
2 - Só é aceite uma participação por pessoa / e-mail.
3 - Só serão consideradas as respostas que mencionem os dados pedidos.
4 - Passatempo válido apenas para Portugal Continental e Ilhas.
5 - O nome do vencedor será publicado no blogue e o mesmo será contactados por email.
6 - A entrega do prémio ficará a cargo da editora.
7 - A Administração do Blog e a editora não se responsabilizam por qualquer atraso ou extravio dos CTT.
O excerto do livro com as respostas às perguntas podem ser encontradas no site da Saída de Emergência, aqui


terça-feira, 29 de outubro de 2013

NYPD RED, de James Patterson [Opinião]

Sem comentários:




Para mais informações acerca do livro clique AQUI


Sinopse:

Existem 35 mil polícias em Nova Iorque. Apenas 75 pertencem à unidade especial que protege os mais ricos e poderosos

A NYPD Red é uma unidade especial da polícia de Nova Iorque, encarregada de proteger os interesses dos cidadãos mais ricos e poderosos de Manhattan.

Quando um produtor de cinema mundialmente famoso é envenenado no primeiro dia de um festival de cinema de Nova Iorque, a unidade NYPD Red é a primeira a ser chamada. A este crime hão de seguir-se o assassínio de um ator no local de filmagens e a explosão de um cocktail molotov durante um dos eventos do festival. O detetive Zach Jordan e a sua nova parceira e ex-namorada, a detetive Kylie MacDonald, são destacados para o caso. O assassino planeou cada homicídio e cada fuga até ao último pormenor, como se do guião de um filme se tratasse. E concebeu um final explosivo que irá arrasar Nova Iorque e Hollywood. Mais um policial explosivo!





Perdoem-me os fãs, possivelmente irei ser crucificada pelo que vou dizer, mas durante todo o livro só conseguia pensar: « - Caramba, o James Patterson é a Janet Evanovich na versão masculina, ou a Janet Evanovich é o James Patterson na versão feminina!» e a partir daí poucos dos meus pensamentos pouco faziam sentido.

Existem certas similaridades na obra de ambos, a escrita é bastante fluída e de fácil leitura, os capítulos são curtos e de uma visibilidade notável. James Patterson consegue manter uma trama mais séria, mais real e adequada ao dia a dia sem constantes episódios hilariantes e que sabemos que apenas ocorrem na mente de quem os escreve. No entanto vou-me centrar na obra deste autor.

Com exceção do recente livro: Confissões de Uma Suspeita de Assassínio, já há muitos anos que não lia nada do autor e, ao ler esse livro e o presente, quase que acredito estar a ler diferentes autores. Inclusive há muitos anos atrás li alguns livros deste autor da série Alex Cross e posso sem sombra de dúvida que o autor é um autêntico camaleão. Para quem aprecie romances, daqueles de nos levar às lágrimas, leia por favor Diário de Uma Mãe. Aqui somos confrontados com outro tipo de escrita totalmente distinto dos acima referidos.

Assim sendo, qualquer obra de James Patterson acaba por se revelar uma autêntica caixinha de surpresas uma vez que o autor prima pela originalidade, bem como pelas diversas facetas de camaleão literário.

Relativamente NYPD RED este é um daqueles livros que se fosse idealizado para o cinema poderíamos contar com magníficos efeitos especiais e uma velocidade vertiginosa no desenrolar de toda a trama. Não existem pontos mortos ou cenas dispensáveis. O mundo do cinema é apresentado de forma sarcástica e caricata, no entanto achei o final demasiado abrupto podendo ter sido melhor explorados os porquês do assassino. Algumas cenas macabras envolvendo pés (quem leu o livro sabe do que falo), poderiam ter sido melhor exploradas, quem sabe, de forma um pouco mais perversa e rebuscada.

O mau tempo chegou, seremos acompanhados por dias e dias cinzentos de chuva e frio... este é um livro ótimo para se ter à mão numa daquelas tardes de sábado em que nos enroscamos no sofá, com a mantinha quentinha que nos deram no Natal passado, uma bela tablete de chocolate ou algo similar e teremos uma excelente tarde na companhia de Zach e Kylie!!!

Espero os restantes Topseller e os meus parabéns pela diversidade de obras por vós editadas!

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Envolvida de Sylvia Day [Opinião]

Sem comentários:
Sinopse:
Desde que vi o Gideon pela primeira vez, percebi que ele tinha algo de que eu precisava, algo a que eu não conseguia resistir. Percebi-lhe também uma alma perigosa e atormentada – tal como a minha. Envolvi-me. Eu precisava dele tanto como precisava que o meu coração batesse. 

Ninguém sabe o quanto ele arriscou por mim e o quanto eu fui ameaçada; ninguém imagina quão negra e desesperada se tornou a sombra dos nossos passados. Entrelaçados nos nossos segredos, tentamos desafiar o destino. Definimos as nossas próprias regras e rendemo-nos completamente ao intenso poder da obsessão


Confesso que não saberia o que esperar deste livro, pois apesar de ter gostado do primeiro, o segundo até que foi mais ou menos, este eu não saberia de todo o que esperar.
Envolvida começa exactamente onde Refletida termina, e onde Eve ja começa a perceber melhor as atitudes de Gideon e que por isso mesmo começa a sentir-se melhor com ela própria.

Como seria de esperar, o erotismo e as cenas de sexo estão sempre presentes e constantemente. No entanto o que muda neste terceiro livro, é a parte da história. Vejamos que nos anterior apesar daquele desejo todo e do sentimento de possessão que estava presente ainda havia uma parte de história, para compreendermos como seria tanto Eve como Gideon no passado e como ´se comportam no presente. Ultrapassando de certa forma nos livros anteriores, seria de esperar que neste novo livro surgisse algo de novo, mas não, a formula mantém-se desenvolvendo mais um pouco dos traumas das personagens em vez de se centrar mais na relação amorosa que ambos deveriam estar a partilhar.
Pronto, está bem, Gideon as vezes sai-se com umas frases mais conquistadoras, mas parecem frases feitas!

"Meu anjo, uma multidão de milhares não consegue esconder-te de mim. Eu encontrei-te uma vez. Eu irei encontrar-te sempre" (traduzido livremente)

Sim, nota-se principalmente em Eve um pouco mais de confiança entre ambos. Mas a relação aparenta ser mesmo só sexo, visto que a autora não apresenta qualquer banalidade que seria de esperar num casal. E a medida que avança no livro "vê-los" falar de amor e não ter essa sensação transmitida é algo realmente estranho.

Este foi claramente um livro fraco em relação aos anteriores e que acho que não acrescenta em nada a história, a não ser mesmo o seu final que apesar tudo me pareceu muito forçado e repentino, pois tanto chateados como já se apresentam a publico e não digo mais nada.
Outras coisas que parecem que foram deixadas para segundo plano como Megumi e Nathan deixaram-me um quanto ou tanto curiosa mas não tanto para continuar a ler.

Principe Mecânico, de Cassandra Clare [Opinião]

Sem comentários:
 Sinopse:
No submundo mágico da Londres vitoriana, Tessa Gray encontrou por fim a segurança com os Caçadores de Sombras. Mas esta torna-se efémera quando forças desonestas na Clave se revelam para destruir a sua protectora, Charlotte, e substituí-la como chefe do Instituto. Se Charlotte perder a sua posição, Tessa será posta na rua – e presa fácil para o misterioso Magister, que deseja usar os poderes de Tessa para os seus fins obscuros.
Com a ajuda do bonito e autodestrutivo Will e do devotado e dedicado Jem, Tessa descobre que a guerra do Magister contra os Caçadores de Sombras é pessoal. Ele culpa-os de uma tragédia íntima que lhe destruiu a vida. Para desvendar os segredos do passado, o trio viaja através das névoas do Yorkshire para uma mansão que contém horrores indizíveis, dos bairros-de-lata de Londres para um salão de baile encantado, onde Tessa descobre que a verdade sobre a sua paternidade é mais sinistra do que alguma vez imaginou. Quando encontra um demónio mecânico com um aviso de Will, apercebe-se que o Magister sabe de todos os seus movimentos… e que um deles os traiu.
Tessa descobre que o seu coração está cada vez mais atraído por Jem, apesar do seu anseio por Will e dos sombrios estados de alma que continuam a abalar a sua confiança. Mas algo está a mudar em Will… a parede que construiu à sua volta desmorona-se. Conseguirá o Magister libertar Will dos seus segredos e dar a Tessa as respostas sobre quem é e para que nasceu?
A verdade leva os amigos para o perigo, e Tessa descobre que quando o amor e mentiras se misturam podem corromper até o coração mais puro.






Cassandra Clare é uma das minhas autoras favoritas e Principe Mecânico só vem a confirmar a minha admiração por esta escritora e aguçar a vontade de ler Princesa Mecânica já publicado pela Planeta.

Depois de Anjo Mecânico, o primeiro volume desta trilogia fantástica segue-se este livro onde Tessa  continua sem se situar dentro de uma espécie e a sua busca por respostas continua. Este livro tem, para mim, vários pontos altos. Finalmente sabemos mais sobre Will e temos finalmente uma explicação para o seu comportamento errático, e confesso que desde o inicio ele escondesse um terrível segredo que o obrigasse a ser assim, desejei desde o inicio a sua redenção para que pudesse ficar com Tessa. Contudo tudo se altera com a proximidade desde e de Jem e eu claro também não consigo pensar mal do rapaz, de modos doces e ternos cujmo destino já traçado é bastante desafortunado.

Mais um espectacular livro em que a acção se vai alterando entre as várias personagens e vamos conhecendo melhor as suas tendências, aspirações e tristezas. Temos acção, intriga, romance que nos deixa verdadeiramente agarrados às páginas, ávidos por mais. Traições, amores descoberdes, veraddes clarificadas a autora é mestra no uso da palavra deixando-nos completamente apaixonados e ansiosos por mais um livro. Entre descobrir a verdadeira natureza de Tessa, saber o que o Magister tem a ver com a sua história e com quem afinal ela irá ficar fica uma espera angustiante até ler o terceiro e ultimo livro desta história. O desfecho deve ser assombroso.

domingo, 27 de outubro de 2013

"O Inimigo Secreto" de Agatha Christie (Opinião)

Sem comentários:



Para mais informações clique aqui

Sinopse

Tommy e Tuppence encontram-se por acaso numa rua de Londres. Tommy é discreto, Tuppence é exuberante. Juntos, formam o par perfeito para combater o crime. Pelo menos, é o que pensam quando se unem numa parceria a que chamam "Jovens Aventureiros Lda". Eles dizem-se "dispostos a tudo" mas quando os seus sonhos de aventura se realizam com muita rapidez e ainda mais perigo, serão obrigados a questionar os seus próprios limites... e não só.   O inimigo secreto (The secret adversary) foi originalmente publicado em 1922 na Grã-Bretanha, tendo sido editado no mesmo ano nos Estados Unidos. Foi adaptado para televisão em 1928 (a primeira adaptação de um romance da autora) e em 1983.



Agatha Christie será sempre a rainha dos policiais com um mérito inegável.

Adoro Agatha Christie, na minha juventude li todas as obras dela publicadas em português, por uma outra editora, e mesmo, 15 anos depois ao reler esta bela obra pela mão da ASA, voltei a ser seduzida e envolvida pela escrita. Devo salientar que a ASA fez um excelente trabalho de capa, que nos leva a viajar no tempo.

Tuppence é uma jovem exuberante e  rebelde para a época e nem o facto de ser filha de um arcebispo a faz ser mais prudente. Irreverente para a idade, sonha com a  sua independência longe da familia.
Tommy é um ex-miliatr, calmo e ponderado, que tem em Tuppence uma amiga.
Quando se reencontram no após-guerra (1ª guerra mundial), quase falidos, decidem reunir recursos para ganhar dinheiro (e emprego) e fundam a "Jovens Aventureiros Lda", nessa colaboração vão dar por si envolvidos numa perigosa teia de crime, onde a própria vida é ameaçada. Conseguirão fazer frente á ameaça que pode levar Inglaterra a uma nova  guerra?
 
Não esperem um policial com DNA e provas forenses, afinal de contas a rainha do crime escreveu as suas obras no inicio do século XX,  mas um policial inspirador que nos prende desde a 1ª página, e nos deixa na dúvida até ao seu desfecho. Uma leitura simples, clara e envolvente que nos faz "torcer" pelos protogonistas desde logo e com um desfecho surpreendente.  Recomendo a todos os leitores!!!



quinta-feira, 24 de outubro de 2013

O Mistério de Carlos Magno, de Steve Berry [Opinião]

Sem comentários:



Para mais informações clique AQUI

Sinopse:

O que liga um submarino secreto desaparecido, a exploração da Antártida pelos nazis em 1938 e o túmulo de Carlos Magno? Cotton Malone, ex-agente secreto americano, perdeu o pai em criança, supostamente durante um exercício militar, num submarino no Atlântico Norte. Empenhado em saber toda a verdade, pede à sua antiga chefe, Stephanie Nelle, para consultar os arquivos militares. A descoberta é surpreendente: o submarino que o pai comandava era uma embarcação nuclear secreta que se perdeu durante uma missão confidencial sob o gelo da Antártida. Mas Malone não é o único em busca da verdade. As irmãs gémeas Dorothea e Christle querem a fortuna prometida pela mãe àquela que descobrir o que realmente aconteceu ao seu pai que morreu igualmente nesse misterioso submarino. Mas elas estão ao corrente de algo que Malone não sabe: instigados por estranhas pistas descobertas no túmulo de Carlos Magno, os nazis exploraram a Antártida, em 1938. O ex-agente descobre que um diário redigido com enigmas indecifráveis e a viagem desventurada do seu pai estão relacionados com uma revelação de consequências incalculáveis para a humanidade. Finalmente será confrontado com a verdade sobre a morte do pai e com a possibilidade do seu próprio fim.




Por muito que me custe, não fui capaz de gostar deste livro, possivelmente culpa minha pois encontra-se bastante bem escrito, o enredo é apelativo no entanto não me cativou desde o início. O tamanho do livro possivelmente criou em mim alguns mecanismos de defesa para ter ficado tão «de pé atrás» com a presente obra, no entanto sei que me esforcei e possivelmente menos 200 páginas e teria sido empolgante! Foi bastante difícil conseguir chegar às páginas finais de um livro que posso afirmar ter um pouco de tudo, policial, thriller, romance e até ficção científica mas no final de tudo, não consegui suspirar de melancolia por o ter terminado mas sim de alívio.

As personagens estão bastante bem caraterizadas, com todos os seus ódios de estimação que reportam a acontecimentos ligados ao passado, tanto ele passado a curto prazo como a bem longo prazo uma vez que o mistério adensa-se em torno da vida de Carlos Magno. Não querendo criar spoiler, acredito piamente que esta seja uma obra bastante apreciada pelos leitores dos géneros policial ou thriller, especialmente que já tenham conhecimento de obras anteriores (mais um lapso meus).

A personagem de Cotton Malone fez-me recordar um Sean Connery há algumas décadas atrás cheio de personalidade e carisma. As gémeas Dorothea e Christle apesar do autor tentar estabelecer diferenças entre as mesmas, vieram a revelar-se faces de uma mesma moeda, facetas integrantes na personalidade de sua mãe Isabel, personagem pela qual não consegui de modo algum simpatizar... venenosaaaaaaa, uma vez que passou a vida a tentar virar uma contra a outra... como Napoleão, Dividir Para Conquistar.

Este livro tem um final completamente surpreendente, deixando o leitor em puro suspense ficando algo por descobrir, quem sabe, num próximo volume.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Dias de Paixão, de Sarah Pekkanen [Opinião]

Sem comentários:
 

Sinopse:
Até onde nos pode levar a paixão?
Quatro mulheres juntam-se com os seus maridos para uma semana paradisíaca na Jamaica, em pleno mar das Caraíbas. O motivo da reunião é o aniversário de Dwight, um amigo dos tempos da faculdade, que de rapazinho tímido e inseguro se transformou num empresário rico e bem-sucedido.
Todas elas anseiam fugir temporariamente às suas vidas. Tina sente o peso e o cansaço de ser mãe de quatro crianças pequenas. Allie está abalada pela notícia de que uma doença genética degenerativa é comum na sua família. Savannah carrega o segredo da infidelidade do marido. Finalmente, Pauline, a mulher que não olha a despesas para organizar ao seu marido rico aquela festa inesquecível, esconde segredos de Dwight, e espera, com esta semana, reparar as falhas no casamento de ambos.
O que começa por ser uma semana idílica, com lânguidas horas passadas numa praia privada, jantares gourmet, aventuras radicais e noites de paixão, transforma-se em algo mais profundo com a chegada de uma poderosa tempestade que acaba por atingir a ilha. Redemoinhos tumultuosos atingem este grupo, forçando cada uma das mulheres a reavaliar tudo o que sabe sobre os seus amigos, e sobre si própria, sobre o amor e sobre a paixão.

Não costumo ler muitos romances contemporâneos talvez por haver outros estilos que me atraiam mais e este género fica sempre para o fim da lista junto com policiais e thrillers. Assim comecei esta leitura com mente aberta e à espera de encontrar algo leve com que me divertisse umas horas. Contudo não é bem assim, este livro retrata a relação de quatro casais que se conhecem há vários anos e aos poucos vamos desvendando os seus segredos mais intimos e perceber que as aparências iludem e mesmo os nossos melhores amigos não sabem todos os nossos segredos.
A narrativa vai alternando pelos diferentes personagens nunca se focando em nenhum em particular mostrando que ali todos são igualmente importantes. 

A história começa com o convite de Pauline a esposa de Dwight a convidar os amigos de faculdade do marido para comemorar o aniversário deste numa villa de luxo na Jamaica com oferta aos convidados de todas as despesas e muitos programas e divertimentos incluidos.

Conseguimos perceber ao longo da obra que as personagens decidiram esquecer o seu dia-a-dia e voltaram aos tempos de faculdade onde a ordem do dia é o alcool e o divertimento, muito desse para esquecerem os seus problemas.

Savannah foi a unica que viajou sozinha por ter sido trocada por outra mulher, deste modo decide que deve fingir que não está magoada e que a diversão é o melhor remédio. Allie que era uma das personagens mais promissoras teve atitudes degradantes e pouco dignas por ter dúvidas relacionadas com uma possível doença genética. Pauline conseguiu redimir-se no final mas durante toda a narrativa só consegue ser demonstrar uma personalidade fútil e interesseira. Tina foi realmente uma surpresa, uma mulher cansada das suas obrigações diárias, mãe, esposa, mulher e houve uma página em especial que me tocou no coração onde ela diz que está cansada da sua vida, que já acorda a contar quantas horas faltam para dormir de novo pois passa o dia a correr atrás dos quatro filhos e isso foi algo com que me identifiquei imenso e foi a passagem do livro que mais me marcou.

Em relação aos homens não parece que tenham mudado em particular todos eles se mostram iguais a eles mesmos, apaixonados pelas suas esposas e prontos para a diversão e por aqui não há demasiadas surpresas.

A escrita é muito simples e fluida, os temas bastante actuais e bem escritos, a autora conseguiu escrever uma excelente história pontuada com episódios marcantes, uma leitura leve e agradável tendo como pano de fundo uma ilha paradisíaca. Esta é mais uma obra de excelente qualidade como vem sendo habitual na TopSeller mas devo confessar que apesar de adorar a capa esta em nada se adequa ao seu conteúdo o que é uma pena pois pode levar a conclusões precipitadas sobre a história.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Pede-me o que quiseres de Megan Maxwell [Opinião]

Sem comentários:
 
 Leia mais informações sobre o livro aqui

Sinopse:  
Após a morte do pai, o prestigiado empresário alemão Eric Zimmerman decide viajar até Espanha para supervisionar as filiais da empresa Müller.
Nos escritórios centrais de Madrid conhece Judith, uma jovem inteligente e simpática, por quem se enamora de imediato. Judith sucumbe à atracção que o alemão exerce sobre ela e aceita tomar parte nos seus jogos sexuais, repletos de fantasias e erotismo. Com ele aprenderá que todos temos dentro um voyeur, e que aspessoas se dividem em submissos e dominantes…
Mas o tempo passa, a relação intensifica-se e Eric começa a temer que o seu segredo seja descoberto, algo que poderia ditar o princípio do fim de uma relação.


Antes de mais confesso que assim que vi este livro decidi colocar de lado qualquer intenção de o ler, gosto de espaçar os livros eróticos que leio para não enjoar, imaginei que fosse encontrar um livro cheio de clichés e por isso quando o recebi em casa fiquei muito céptica, mais ainda quando li uma opinião muito negativa por isso peguei-lhe a medo e sem expectativas nenhumas e ainda bem pois a minha reação à leitura foi assombrosa. Li as 448 páginas do livro durante o dia de sábado o que para mim é um feito foi uma leitura compulsiva e aproveitei estar de cama para devorar as páginas de Pede-me o que Quiseres.

Judith é uma jovem de 25 anos a viver em Madrid, secretária de uma grande empresa alemã com vários escritórios em Espanha, tem uma vida normal, gosta de futebol, de sair com os amigos e tem um amigo colorido. Com uma personalidade espontânea e uma resposta sempre na ponta da língua Jud fez-me soltar muitas gargalhadas com as suas explosões e expressões típicamente espanholas. Quando conhece Eric Zimmerman sem saber que este é o dono da empresa consegue cativá-lo com o seu jeito natural e divertido. O intenso desejo sexual que ela sente por ele e mais tarde o desenvolver de sentimentos mais profundos levam a que apesar das discussões ela o perdoe facilmente e consigo compreender como sentimentos tão físicos, tão carnais nos levem a cometer loucuras.

Eric Zimmerman de 31 anos é um homem sério com um passado e um presente que o atormenta, arrogante, prepotente e intransigente principalmente quando se enfurece e os seus gostos sexuais são no minimo chocantes. Com uma aparencia tipicamente germanica os seus belos olhos azuis e o seu cabelo loiro acastanhado atraem desde o inicio Jud que aos poucos se deixa enredar na sua teia de sedução. Mais que uma vez Eric certifica-se que Judith quer realmente entrar no seu mundo e realizar os seus caprichos sexuais chegando a dizer que não quer de modo algum que ela o venha a acusar mais tarde de a forçar a algo que ela não quer. Acho que só por aí ele ganha bastantes pontos positivos.

Se pela minha opinião começam a pensar que este é mais um livro com o famoso cliché de milionário com taras sexuais e mocinha virgem e tolinha deixem-me dizer que Jud não é nada disso. Ela é uma mulher normal como tantas outras, com um emprego sólido, vida social e sexual activas, apartamento próprio que divide com o seu gato que está em fase terminal e aqui confesso que chorei imenso aquando da morte de Curro logo no inicio da narrativa e que Eric conquistou-me naquele momento com a maneira fantástica como agiu para com Judith.

Este livro está carregado de cenas sexuais intensas muitas até chocantes, entra-se no mundo do swing, das orgias e dos menages contudo a meu ver estão bem descritas e não são de todo vulgares tendo uma linguagem adequada e poucas vezes se entra pela utilização de palavrões. Achei tudo bem inserido na trama e no timing certo.

A relação deste casal é desesperante, ora estão bem e com sérias probabilidades de correrem para  altar como desaparecem da vida do outro num ataque de furia. Gritam, brigam, esperneiam e fizeram-me lembrar em muitas situações o Travis e a Abby do livro Um Desastre Maravilhoso onde apesar de todas as brigas percebe-se que se adoram.

A leitura foi feita num ritmo muito rápido, a autora tem uma escrita divertida, atrevida e muito fluída e o mais engraçado é que conseguimos perceber a cadência do espanhol durante a narrativa principalmente nos diálogos da protagonista e isso foi um dos pontos que mais me cativou, juro que consegui visualizá-la a discutir em espanhol. Adoro o facto da narrativa se passar em Espanha entre Madrid e Jerez com descrições dos lugares que nos fazem querer visitar.

Quem acompanha o blog sabe que eu considerei o livro Valentina, o lado obscuro do desejo de Evie Blake como o melhor erótico que li este ano mas como este ano não acabou esse livro acaba de ser destronado por Pede-me o que Quiseres de Megan Maxwell.

EDIT: Esqueci-me de um ponto fundamental, ao longo da leitura há várias referências a uma musica que é especial para este casal, fui imediatamente ao youtube e fiquei apaixonada


Sagas 1001 mundos [Notícias]

3 comentários:
Consideramos importante para os nossos leitores não só opiniões e divulgação de novidades mas todas as outras notícias que dizem respeito ao mundo literário. A continuação de sagas é uma preocupação para muitos leitores e por isso decidimos ir contactando as editoras para saber se nos podem ajudar com as nossas/vossas dúvidas.

Compreendemos que o preço dos livros seja elevado e comprar livros sem saber se haverá continuação é algo bastante aborrecido contudo temos que entender que em negócio nenhum se investe para perder e o mundo editorial não se restringe a mandar imprimir os livros é um investimento de risco pois nunca se sabe a adesão aos livros.

A primeira editora que respondeu prontamente foi a 1001 Mundos e não trazemos boas notícias.
Em relação à Caster Chronicles cujos dois primeiros livros são Criaturas Maravilhosas e Trevas Maravilhosas não venderam muito bem e ainda está a ser ponderada a continuação. (Fãs rezem)
A série Laços de Sangue de Jennifer Armintrout cujo ultimo livro não foi publicado dificilmente verá a luz do dia no nosso país.
Quem leu e adorou o unico livro da série Immortals After Dark de Kresley Cole editado em terras lusas (Desejo Insaciável) irá ficar bastante desiludido porque não há previsão de continuar a publicar esta série.

Ally Condie e a trilogia Matched cujo unico livro publicado foi União espera por melhores dias, nomeadamente o eventual filme, para se decidir a continuação.

A melhor notícia que temos é que o segundo livro da trilogia Gemma Doyle de Libba Bray será publicado para o ano.

domingo, 20 de outubro de 2013

Scarlet de Marissa Meyer [Opinião]

Sem comentários:
Scarlet (Crónicas Lunares, #2)

Sinopse:
Cinder elabora um plano para fugir da prisão e, se for bem-sucedida, irá tornar-se a fugitiva mais procurada da Comunidade. Do outro lado do mundo, a avó de Scarlet Benoit desapareceu. Scarlet entra em pânico e, na sua busca, acaba por descobrir que existem muitas coisas sobre a avó que desconhece, assim como ignorava o grave perigo que correu toda a vida. Quando Scarlet encontra Wolf, um lutador de rua que poderá ter informações sobre o paradeiro da avó, sente-se relutante em confiar nele, mas ao mesmo tempo sente-se inexplicavelmente atraída. Scarlet e Wolf tentam desvendar o mistério do desaparecimento da avó, mas deparam-se com outro quando encontram Cinder. Além de todos os problemas em que estão mergulhados, ainda terão de antecipar os passos da maléfica rainha Levana, que fará qualquer coisa para que o belo príncipe Kai se torne seu marido, seu rei, seu prisioneiro.


Scarlet  traz-nos um novo retelling, novas personagens, novo romance mas o ritmo e o nível de qualidade continua o mesmo do volume anterior.
Trazendo-nos desta vez a história da Capuchinho Vermelho, Marissa Meyer continua a surpreender tudo e todos com a sua imaginação e o seu talento como contadora de histórias. Histórias que nos apaixonam e fazem-nos vibrar e têm todos os ingredientes certos para uma leitura prazerosa.

Adorei o modo como a autora cruzou as duas narrativas. Confesso que estava com bastante receio que a autora fizesse tudo errado mas agora posso dizer que confio completamente nas capacidades de Meyer como escritora. A Scarlet não se revelou uma protagonista tão boa como a Cinder mas gostei muito da determinação dela e da lealdade com a cyborg mesmo não a conhecendo de lado nenhum.
Se já tinha achado o romance entre a Cinder e o Kai fraco, a relação entre Scarlet e o Wolf foi igualmente fraquinho, não senti assim grande química entre os dois (infelizmente) mas também o romance não é o mais importante nesta história, por isso dou o desconto. Também o facto de termos a introdução de novos pontos de vista e a continuação de outra história fez com que não gostasse tanto deste livro. Acho que preferia quatros livros com princípio e fim e que as personagens aparecessem brevemente nos livros seguintes mas sem nunca terem a sua história continuada. Brevemente chega o livro da Rapunzel, pelo qual estou super entusiasmada porque não só adoro o Entrelaçados como desta vez não há nenhuma torre mas sim um satélite que prende Cress numa órbita entre a Lua e a Terra.

Mesmo assim vamos lá ver como a autora dá continuidade à Cinder, agora que se sabe de toda a verdade e está disposta a enfrentar a rainha maquiavélica.

Podia continuar mas acho que já deu para perceber toda a originalidade destas duas obras. Vou continuar a acompanhar as aventuras destas personagens, infelizmente em português só lá para 2015 (se este blog ainda existir, esperemos que sim) falarei dos dois livros seguintes!

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Divina por Engano, de P. C. Cast [Opinião]

Sem comentários:


 A leitura deste livro foi uma verdadeira guerra com uma mistura de sentimentos controversos em que não conseguia decidir se estava a gostar ou não da história. P. C. Cast conseguiu pegar numa história espectacular, com uma premissa fantástica e quase arruinou tudo. Assim sendo este livro tem imensos pontos negativos mas muitos pontos positivos também e irei enumerá-los.

Comecemos pelo lado negativo:

1) A protagonista, Shannon Parker, é uma professora do secundário, ela deveria ensinar os alunos a falarem de forma correcta em vez de falar como uma adolescente. Como ela referiu muitas vezes ela é licenciada em Literatura, leu centenas de livros, aconselha e incentiva os seus alunos a lerem e depois fala como uma carroceira sem formação nenhuma.

2) Sendo a narrativa na primeira pessoa temos acesso em primeira mão aos pensamentos de Shannon e garanto que é a personagem mais hiperativa e infantil que já vi, afinal esta mulher tem 35 anos.

3) P. C. Cast parece não ter noção que uma mulher adulta normal não diz coisas como "Espaço Só Meu" ou ainda "Terra dos Meus Sonhos" e enfatizo o uso das maiúsculas, essas expressões são próprias de adolescentes cheias de hormonas saltitantes.

4) É completamente absurdo a protagonista referir-se ao marido (mesmo que apenas em pensamentos) como "homem/cavalo/sei lá" a expressão correcta é centauro como ela muito bem sabe, mais uma vez saliento que isto são atitudes próprias de uma miuda.

5) A tradutora conseguiu ir buscar expressões do arco da velha que em nada ajudaram a melhorar a impressão que estava a ter durante a leitura, "c'um pirete" é expressão que nunca ouvi, tanto quanto sei faz-se um pirete mas não se usa essa palavra, mais valia dizer algo como "c'um caneco" ou "c'um caraças" que são expressões muito usadas, "galifona" é de morte, juro que me ia dando uma coisa má quando li esta palavra no livro, é uma expressão tão vulgar que tenho a certeza que conseguiriam arranjar algo melhor. A pior palavra que encontrei no livro foi um erro ortográfico a peça de roupa feminina é top e não tope, a palavra não tem E no final e não é uma gralha pois aparece duas vezes seguidas na mesma página. "Rais t'abrasem" é completamente incompreensível como é que esta expressão antiga e caída em desuso pode ser utilizada como se fosse uma piadinha sexual. E o uso constante da palavra "credo" chega a assustar. Há mais mas estas foram as que se destacaram.

6) Nós conseguimos perceber desde o inicio que a verdadeira Rhiannon com quem Shannon trocou de lugar é uma verdadeira cabra sem coração não há necessidade de sermos relembrados disso a toda a hora, basta ver pelas suas atitudes e pelo que os escravos demonstram.

7) Como referi no ponto um sendo licenciada em Literatura esperava que ela conseguisse adequar a sua linguagem à época para a qual foi transportada em vez de deixar as pessoas completamente abismada com o uso de um vocabulário corriqueiro e de calão.

8) Outro ponto completamente desnecessário no livro e que só vem arruinar mais a imagem que temos de Shannon é que esta bebe vinho como se não houvesse amanhã e chegamos a dar conosco a pensar se ela não irá desenvolver uma cirrose a curto prazo. A mulher bebe vinho tinto como quem bebe água e faz questão de demonstrar o seu gosto, chegando a ficar alcoolizada uma vez e alegre noutra, bebe inclusive ao pequeno almoço e quando um dia começam a levar chá ela estranha. Não pode ser um comportamento considerado normal e não entendo porque a autora fez questão de frisar este facto várias vezes.

9) Os sonhos de Shannon são completamente irreais dentro da mais pura fantasia sexual feminina roçando quase a imbecilidade onde actores famosos e super herois como o batman ou o super-homem competem pela sua atenção. As suas muitas referências a John Wayne chega a roçar a obsessão.

Ainda assim há muitos pontos positivos, as descrições dos lugares e das pessoas assim como dos hábitos estão bem feitas. Gostei muito da personagem de ClanFintan o centauro marido de Shannon é simplesmente fantástico, atencioso, leal, justo, um grande estratega e um marido como poucos, com uma personalidade constante, carinhosa e bondosa é provavelmente uma das melhores personagens masculinas que já li. Alanna que de inicio era apenas uma escrava acaba por se tornar uma boa amiga com uma personalidade calma e perspicaz é ela que ajuda a protagonista a adaptar-se ao novo mundo. Adorei a inserção de centaurides, fêmeas com uma força e destreza fenomenais que adicionam excelentes momentos ao livro. As batalhas são espectaculares principalmente a ultima está muito bem descrita e conseguimos visualizar muito bem todos os acontecimentos. E por fim em relação a Shannon não se pode odiá-la completamente apesar do seu feitio desfasado da realidade e da sua mente infantil e hiperactiva ela é completamente boa e com um sentido de justiça muito claro, uma optima lider do seu povo. Por isso como vêm apesar dos vários pontos negativos a leitura até foi fluida e consistente e fez-me ficar com vontade de ler os restantes.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Mais Novidades Planeta para Outubro

Sem comentários:
Princesa Mecânica
Caçadores de Sombras As Origens - Livro 3
Cassandra Clare

Informação técnica:
368 páginas
PVP: 18,85 €
Disponível a partir de 17 de Outubro
Chega agora o grande final da empolgante prequela da série Caçadores de Sonhos. Quase 400 páginas de alta tensão que se lêem de um só fôlego e que nos perturbam até ao derradeiro final.

O perigo, a traição, os segredos, os feitiços, o amor e a morte entrelaçam-se quando os Caçadores de Sombras quase se autodestroem neste final de cortar a respiração da trilogia As Origens.

Sinopse:
A verdade leva os amigos para o perigo, e Tessa descobre que quando o amor e mentiras se misturam podem corromper até o coração mais puro.
OS INSTRUMENTOS INFERNAIS NÃO PARAM
Tessa Gray devia estar contente, como todas as noivas! Mas, enquanto se prepara para o casamento, uma rede de sombras envolve os Caçadores de Sombras do Instituto de Londres. Surge um novo demónio, ligado pelo sangue e secretismo a Mortmain, o homem que tenciona usar um exército de impiedosos autómatos, os Instrumentos Infernais, para destruir os Caçadores de Sombras. Falta apenas um último pormenor para que o plano de Mortmain funcione: Tessa. Charlotte Branwell, directora do Instituto, não consegue encontrar Mortmain antes que ele ataque, ao mesmo tempo que Jem e Will, os dois rapazes que disputam o coração de Tessa, farão tudo para a salvar. As últimas palavras de um Caçador de Sombras moribundo fornecem a pista que pode levar Tessa e os amigos a Mortmain, mas o pequeno grupo não se aguenta sozinho e o poderoso cônsul não acredita no advento do demónio. Sem aliados, os Caçadores de Sombras vêem-se encurralados quando Mortmain consegue o medicamento que mantém Jem vivo. Com o seu melhor amigo às portas da morte, Will tem de arriscar tudo para salvar a jovem amada por ambos. Para dar tempo a Will, o feiticeiro Magnus Bane junta-se a Henry Branwell para criar um instrumento que pode derrotar Mortmain e enquanto todos tentam salvar Tessa e o futuro dos Caçadores de Sombras, a jovem percebe que a única pessoa que a pode salvar é ela própria, porque percebe que pode ter em si um poder que nunca imaginou. Mas poderá uma rapariga, mesmo capaz de conjurar o poder dos anjos, enfrentar um exército?
Sobre a autora:
Cassandra Clare nasceu no Irão e passou os primeiros anos a viajar pelo mundo com a família e vários baús cheios de livros de fantasia, entre os quais As Crónicas de Nárnia. Mais tarde, trabalhou como jornalista em Los Angeles e Nova Iorque. Cassandra Clare vive em Massachusetts com o marido, os gatos e ainda mais livros. Caçadores de Sombras é o título da trilogia que começou com A Cidade dos Ossos, uma fantasia povoada por vampiros, demónios, lobisomens, fadas, e que é um autêntico romance de acção explosiva.
Quando tu eras meu
Rebecca Serle

Informação técnica:
260 páginas
PVP: 15,95 €
Disponível a partir de 17 de Outubro

Um livro intensamente romântico que reconta a maior história de amor de todos os tempos – Romeu e Julieta – agora narrada por Rosalina, a primeira namorada de Romeu.
Sinopse:
Neste livro intensamente romântico e moderno da maior história de amor jamais contada, temos a perspectiva de Rosalina que está apaixonada por Rob (Romeu). Rosalina conhece Rob desde a infância e tem a certeza de que ela e Rob estão destinados a ficar juntos. Há anos que Rosalina está apaixonada por Rob e espera que ele se declare. Quando por fim a beija o seu mundo fica perfeito. Mas, quando tudo corria bem, Julieta regressa à cidade. Julieta, que já foi a melhor amiga de Rosalina, e que agora, inexplicavelmente a odeia. Julieta, é linda, mas procura vingança, e dá mostras de se encontrar pouco equilibrada emocionalmente... e quando sabe que Rosalina está apaixonada por Rob, decide que irá roubá-lo. Rose fica de rastos quando Rob a troca pela ex-amiga e sabe que Julieta só o fez por vingança. E quando começam a surgir rumores sobre a instabilidade de Julieta, das suas carências e ameaças de suicídio, Rosalina teme que além de não conseguir recuperar o amor de Rob, começa a ter um imenso receio pela sua vida, devido à insanidade de Julieta.
Sobre a autora:
Rebecca Serle, formou-se com distinção na Primavera de 2009. Um ano, depois, concluiu o estudo e firmou o seu ponto de vista sobre a grande tragédia de Shakespeare – Romeu e Julieta. Resolveu escrever um romance sobre a outra parte do mesmo que nunca é abordada. Narrada na perspectiva de Rosalina por norma uma figura silenciosa e relegada para segundo plano, mas a quem se atribui como sendo de facto o primeiro amor de Romeu.

A bibliotecária de Auschwitz
Antonio G. Iturbe

Informação técnica: 
384 páginas
PVP: 18,85 €
Nas livrarias a partir de 17 de Outubro
Um emocionante romance baseado na história verídica de uma jovem checa, a bibliotecária do Bloco 31, de Auschitwz – Dita Dorachova - com quem o autor teve oportunidade de falar e que resgata do esquecimento uma das mais comoventes histórias de heroísmo cultural.
Sinopse:
Um livro diferente de tudo o que já leu sobre o Holocausto e de que poucos têm conhecimento. Pela primeira vez ficamos a saber da existência de livros num campo de extermínio. Minuciosamente documentado, e tendo como base o testemunho de Dita Dorachova, a jovem bibliotecária checa do Bloco 31, este livro conta a história inacreditável, mas verídica, de uma jovem de 14 anos que arriscou a vida para manter viva a magia dos livro, ao esconder dos nazis durante anos a sua pequena biblioteca, de apenas oito volumes, no campo de extermínio de Auschwitz. Este livro é uma homenagem a Dita, com quem o autor tanto aprendeu, e à memória e valentia de Fredy Hirsh, o infatigável instrutor judeu do Bloco 31 que criou em segredo uma pequena escola e uma ainda mais minúscula biblioteca, apenas com oito livros. No meio do horror, Dita dá-nos uma maravilhosa lição de coragem: não se rende e nunca perde a vontade de viver nem de ler porque, mesmo naquele terrível campo de extermínio nazi, «abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias.»
Sobre o autor:
António G. Iturbe (Saragoça, 1967) dedica-se há vinte anos ao jornalismo cultural. Foi coordenador do suplemento televisivo de El Periódico, redactor da revista de cinema Fantastic Magazine e trabalha há dezassete anos na revista Qué Leer, de que é actualmente director. Colaborou nas secções de livros de «Protagonistas» Ona Catalana, ICat FM e a Cope, e em suplementos culturais de jornais como La Vanguardia ou Avui. Publicou dois romances, e é autor de uma série de êxito de livros infantis.
 
 
Pede-me o que quiseres
MEGAN MAXWELL

Informação técnica:
448 páginas
PVP: 17,76 €
Nas livrarias a partir de 17 de Outubro
O PRIMEIRO LIVRO DE UMA TRILOGIA REALMENTE ESCALDANTE

Amor, sexo e luxúria sem limites para ler sem moderação.
Um romance atrevido, em que o mórbido e as fantasias sexuais estão na ordem do dia.
Uma história de amor cheia de encontros e desencontros na qual os jogos eróticos, o voyeurismo e o desejo de ultrapassar todos os limites do prazer são os grandes protagonistas.
Sinopse:
Após a morte do pai, o prestigiado empresário alemão Eric Zimmerman decide viajar até Espanha para supervisionar as filiais da empresa Müller. Nos escritórios centrais de Madrid conhece Judith, uma jovem
inteligente e simpática, por quem se enamora de imediato. Judith sucumbe à atracção que o alemão exerce sobre ela e aceita tomar parte nos seus jogos sexuais, repletos de fantasias e erotismo. Com ele aprenderá que todos temos dentro um voyeur, e que as pessoas se dividem em submissos e dominantes… Mas o tempo passa, a relação intensifica-se e Eric começa a temer que o seu segredo seja descoberto, algo que poderia ditar o princípio do fim de uma relação.
Sobre a autora:
Megan Maxwell é uma reconhecida e prolífica escritora do género romântico. Filha de mãe espanhola e pai americano, publicou vários romances. Em 2010 ganhou o Premio Internacional Seseña de Novela Romántica; em 2010, 2011 e 2012 recebeu o Premio Dama de Clubromantica.com; e em 2013 o Aura Galardão do Encuentro Yo Leo RA. Vive numa encantadora aldeia nos arredores de Madrid, na companhia do marido, dos filhos, do cão Drako e do gato Romeo.
Encontrará mais informação sobre a autora e a sua obra em www.megan-maxwell.com
 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

" Ulianov e o Diabo" de Pedro Garcia Rosado - Opinião

Sem comentários:



Para mais informações acerca do livro clique AquiAQUI


Sinopse:

Um magnífico romance policial português

Pedro G. Rosado leva-nos ao velho coração de Lisboa, à beira do Tejo, onde um emigrante russo com o nome de guerra Ulianov, ex-agente do KGB e ex-presidiário, é arrastado para a batalha mais difícil da sua vida, quando a sua irmã desaparece. Em ULIANOV E O DIABO vamos também conhecer o inferno das cavernas subterrâneas da Lisboa ribeirinha, de onde emerge o sem-abrigo que guarda o segredo do desaparecimento da irmã de Ullianov.





Mais um livro espetacular do autor Pedro Garcia Rosado, que fez as delícias durante três noites. Na presente obra surgem duas personagens com as quais já tinha tido contato nos livros Vermelho Cor de Sangue (Ulianov) e Morte na Arena (Diabo). É estranho ler a obra de Pedro Garcia Rosado da frente para trás, uma vez que este foi o seu segundo romance e eu iniciei pelo penúltimo (Morte Com Vista Para o Mar), mas para quem ainda não tenha conhecimento dos livros, por favor não se iniba de ler o que houver à mãe, deverá sim é lê-los todos.

Gostei finalmente de conhecer o passado de Ulianov e do Diabo, especialmente de Ulianov pois tinha sido uma personagem com a qual criei alguma empatia em Vermelho Cor de Sangue. É acima de tudo uma personagem carismática, a única no presente livro. Não que as outras não estejam bem construídas, bem demais, mas revelam acima de tudo os «podres» da sociedade portuguesa.

A trama inicia na década de 70, com uma agressão a uma jovem por parte de três outros jovens que, após sua violação, abandonam-na mata de Sintra. De seguida somos levados para o Rio Tejo, novamente espetadores de uma agressão a Irina, culminando numa tentativa de homicídio da parte de dois irmãos.

Irina, irmã de Ulianov, é deixada como morta, na margem do rio Tejo, no Cais de Sodré, «como morta» uma vez que o corpo desaparece, no local ficam alguns cabelos, sangue e massa encefálica o que nos fará duvidar da sua sobrevivência. Em sua busca encontramos o noivo que pede ajuda a Ulianov uma vez que acredita que o seu desaparecimento não ocorrera de livre vontade. Apesar do irmão já não ter contato com Irina, acaba por se envolver numa investigação que envolve redes de prostituição, pornografia, bem como figuras distintas da sociedade lisboeta e de Cascais. Ulianov acaba por ser agredido/ajudado (sim por esta ordem) pelo Diabo, personagem que habita os subterrâneos existentes por baixo da zona ribeirinha da cidade de Lisboa… quem sofra de agorafobia existem algumas cenas que podem causar algum desconforto ao leitor inclusive, provocar alucinações olfativas com a descrição exaustiva dos cheiros existentes nesses subterrâneos!

Por fim Ulianov conquista um aliado na figura do Diabo (à custa de umas cervejas e de uns pastéis de bacalhau, quem resiste a uns belos e suculentos pastéis de bacalhau?) acabando por descobrir o que acontecera com a irmã.

O livro tem uma leitura extremamente fluida o que já se torna habitual no autor. É mais uma vez muito gratificante ser conduzido por cenários que acabamos por, mal ou bem, conhecer de alguma forma e que de certo modo, nos farão olhar para eles com outros olhos da próxima vez que por lá passearmos. Após a leitura do livro, tal como aconteceu com Morte na Arena, acabo por encarar a cidade de Lisboa sob outra perspectiva, bem mais sombria. Verdade seja dita que a zona ribeirinha da nossa capital poderia facilmente ser palco de diversos homicídios, em ruelas estreitas de calçada portuguesa onde janelas de vizinhos quase se tocam e, no entanto, tão anónima quanto uma noite escura e sem lua o permite.

Relativamente a esta obra, sinto-me na obrigação de sublinhar o fato deste livro ser, infelizmente, de difícil acesso uma vez que se encontra esgotado, consegui-o em segunda mão, bem como O Clube de Macau mas para nós leitores, seria uma excelente ideia uma editora (por favor TopSeller) reeditar estes livros. Não sei se é possível, estou apenas a pensar em como ficavam todos bonitos na minha estante dedicada ao autor!

"O Anjo Caído" de Daniel Silva - Opinião

1 comentário:



Para saber mais sobre o livro clique aqui


Sinopse

Depois de ter sobrevivido por um triz à sua mais recente missão, Gabriel Allon, o herói dos serviços secretos israelitas, refugiou-se por detrás dos muros do Vaticano, onde se encontra a restaurar uma das obras-primas de Caravaggio. Mas certa manhã, bem cedo, é chamado à Basílica de São Pedro por monsenhor Luigi Donati, o influente secretário privado de Sua Santidade o Papa Paulo VII. Foi encontrado o cadáver de uma bela mulher debaixo da magnífica abóbada de Miguel Ângelo. A polícia do Vaticano suspeita de suicídio, mas Gabriel não concorda.
E, segundo parece, o mesmo se passa com Donati, que receia que uma investigação pública possa vir provocar no seio da Igreja e, por isso, chama Gabriel para que ele descubra discretamente a verdade. Com uma advertência: «Regra número um no Vaticano», diz Donati. «Não faça demasiadas perguntas.»
Gabriel descobre que a mulher morta desvendara um segredo perigoso, que ameaça uma organização criminosa que anda a pilhar tesouros da Antiguidade e a vendê-los a quem oferecer mais dinheiro. Mas não se trata apenas de ganância. Um agente misterioso planeia uma sabotagem que irá mergulhar o mundo num conflito de proporções apocalípticas… 





Daniel Silva apresenta-nos mais uma aventura de Gabrel Allon, a décima segunda, de uma forma irreverente, séria e sempre tentadora. É um livro que se lê muito bem mesmo fora do contexto dos anteriores.

Após sobreviver a um ataque directo, Gabriel e Chiara, refugiam-se no Vaticano. Donnatti, secretário pessoal do Papa, e sua Santidade o Papa pedem ajuda a Gabriel, de forma a descobrir, sem escândalo, a verdadeira causa de morte da curadora Cláudia Andretti. Este pedido vai lançar Gabriel numa luta contra o tempo de forma a salvar Israel e a evitar uma 3ª Guerra Mundial.

Confesso que adorei "viajar" com Gabriel, do Vaticano a Saint Moritz, Viena a Paris, passado por Israel e Palestina, na sua procura pela verdade e tentativa de impedir grandes ataques contra os judeus, envolvi-me completamente na leitura. Gabriel Allon é envolvente, e o seu passado está carregado de dor e sofrimento.

Alerto que por vezes poderá não ser uma leitura fácil, este livro fala ao de leve no Holocausto e na tentativa de tantas organizações e países em desmentir o sucedido, fala de obras de arte e do seu significado, fala do Irão e do seu programa nuclear, fala de ataques terrorristas infâmes em nome de um Deus ou Profeta, e no final, recorda-nos a mesquinhez do ser humano.

Adorei o livro e achei muito curioso o facto de uns 10 min depois de o acabar de ler, ver na televisão uma noticia sobre o Irão e a procura de aliados para continuar com o seu programa nuclear.

Aconselho vivamente a ler, pelo policial, pelos factos históricos, pelos artefactos e obras de arte e também porque é um prazer esta leitura tão envolvente.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

[TopSeller] D. Francisca de Bragança: A Princesa Boémia [Divulgação]

Sem comentários:
Depois de ter lançado a emocionante biografia sobre o seu pai, Fialho Gouveia, Maria João viajou no tempo, inspirando-se na vida de reis, rainhas e princesas, regressando às livrarias com um novo livro, um romance histórico, o género literário que mais tem crescido nos últimos anos.
D. Francisca de Bragança: A Princesa Boémia (384 pp / 19,99€)  é um romance apaixonante inspirado numa cuidada investigação histórica, que nos dá a conhecer a vida de uma invulgar princesa portuguesa, que viveu uma longa e ousada história de amor o homem da sua vida, o filho do rei de França.



   

«A escolha da personagem deste livro recaiu sobre D. Francisca de Bragança, pela sua personalidade, tão invulgar no espírito do século XIX. A princesa era uma jovem espontânea e expansiva, o que contrastava com o caráter maioritariamente recatado e submisso das damas da época.
Tendo crescido sem pai nem mãe num palácio governado por camareiras, estadistas e professores, a Mana Chica – como era carinhosamente tratada pelos irmãos -, combinava a postura majestosa que cabia à filha de um imperador, com a naturalidade da infantilidade que tardou a despir. E foi precisamente esse paradoxo e essa inocente ousadia que conquistaram o coração do príncipe de Joinville, com quem frequentaria as noites de Paris, sem esconder a paixão que os unia.» - Maria João Fialho Gouveia


  

A autora:
Maria João Fialho Gouveia nasceu em Lisboa a 14 de novembro de 1961. No Estoril cresceu e estudou. Cursou jornalismo e línguas, mas o seu coração sempre esteve na História. E assim, anos mais tarde, regressou à Universidade para estudar o curso que sempre a encantara.
No decurso da sua atividade profissional, a autora passou pela imprensa escrita, TV e rádio. Trocou os media pelo ensino, sendo atualmente professora de Inglês do Ensino Básico. Uma vez prestada a homenagem ao seu pai, no livro Fialho Gouveia: Biografia Sentimental, a escritora casou, nesta sua obra, duas das suas paixões: a escrita e a História, confessando: «É aqui que eu me encontro!»

vejam o trailer do livro aqui  

finale, de Becca Fitzpatrick [Opinião]

Sem comentários:
Sinopse:
O destino lança os dados neste capítulo final da saga hush, hush

Nora está absolutamente certa sobre o seu amor por Patch. Anjo caído ou não, Patch é o homem da sua vida. A herança e o destino que couberam a Nora ditam que terá de ser inimiga do seu amor, mas não há como lhe voltar as costas. Agora, Nora e Patch deverão unir forças para enfrentar o derradeiro desafio. Assistiremos ao regresso de velhos inimigos e ao nascimento de novos aliados. Um amigo será o protagonista de uma inesperada traição que ameaçará a paz com que Patch e Nora sonham tão desesperadamente. As linhas da batalha estão formadas mas de que lado devem lutar? E, no final, será o amor capaz de conquistar todos os obstáculos?


Hush Hush foi uma das minhas primeiras compras do ano passado, nunca tinha ouvido falar mas a capa e a história intrigaram-me e foi o primeiro livro YA sobre anjos que li, agarrou-me intensamente e fui adquirindo aos poucos os livros seguintes lendo-os sempre compulsivamente. Porém foi há quase um ano que li Silêncio por isso quando peguei neste Finale tive bastante dificuldade em recordar a história que estava para trás lembrando-me apenas de alguns detalhes e isso foi-me atrapalhando a leitura até certa altura.

Nora debate-se com o facto de ser a lider dos Nefilim e sucessora de Mão Negra o seu pai biológico pois isso acaba por interferir com a sua relação com Patch. Tendo Dante como braço direito nunca consegue realmente confiar nele e consegue em Scott o apoio que necessita.

Este livro trás alguns momentos de grande intensidade e outros um pouco absurdos como o facto da mãe de Nora aceitar de ânimo leve que Marcie se mude de armas e bagagens para sua casa dividindo o seu espaço e intrometendo-se na sua vida, claro que Nora fica sempre de pé atrás com as suas atitudes mas chega mesmo a vacilar e a baixar a guarda.

Vamos tendo no decorrer de toda a acção que algo de muito errado se passa mas sem realmente conseguir perceber quem está a ser honesto e quem está a fazer jogo duplo. Aparece aqui um arcanjo de atitudes bastante duvidosas e que vai ser fundamental no desfecho do livro.

A batalha final é forte mas demasiado rápida, aqui a autora não teve medo de matar uma das personagens fundamentais em todo o livro e fiquei bastante triste com o seu fim. Houve uma revelação surpreendente em relação a outra personagem bastante querida e o fim deste último capitulo foi no minimo original. Patch foi bastante constante neste livro mesmo quando as suas atitudes suscitaram desconfiança da parte de Nora. 
Becca Fitzpatrick tem uma escrita bastante fluída, a acção é bastante rápida sem momentos mortos, cada detalhe é importante para a história e a leitura é bastante agradável. Fico com saudades das personagens, uma das minhas preferidas é a Vee e gostaria de ter visto um pouco mais dela mas de resto a autora conseguiu imprimir a entoação certa a todos os momentos e sei que um dia terei de reler estes livros todos de seguida para me voltar a apaixonar pela história.

Uma saga a não perder e que aconselho sem reservas a todos os amantes deste género.