Crónicas de uma Leitora: A Escolha do Coração de Amanda Brooke - Opinião

sábado, 3 de novembro de 2012

A Escolha do Coração de Amanda Brooke - Opinião



Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 296
ISBN: 9789897260063


Sinopse:
Como podemos escolher entre a nossa vida e a de um filho?
Os recém-casados Holly e Tom acabaram de se mudar para uma casa antiga na pitoresca Inglaterra rural. Quando Holly descobre um relógio lunar num jardim cheio de ervas, e o seu estranho mecanismo de cristal, está longe de suspeitar que ele vai mudar a sua vida para sempre. Pois o relógio lunar tem uma maldição.
A cada lua cheia, Holly consegue ver o futuro – um futuro que contém Tom a embalar a filha bebé de ambos, Libby, e a chorar a morte de Holly no parto…
Holly percebe que o relógio lunar está a oferecer-lhe uma escolha desesperada: dar a Tom o bebé que ele sempre quis e sacrificar a sua própria vida; ou salvar-se e apagar a vida da filha por quem se apaixonou.
Opinião:
Desde que este livro surgiu como novidade da Quinta Essência coloquei-o no topo da minha wishlist. Este seria um daqueles livros lidos num ápice, de me deixar com uma lágrima no canto do olho certamente. E assim foi, li-o em dois dias, com o coração nas mãos, tudo o que meta crianças em livros e maternidade ainda mexe comigo, talvez por ser mãe de duas crianças ainda bastante novas.

O dilema de Holly, «sacrificar a sua própria vida; ou salvar-se e apagar a vida da filha por quem se apaixonou» deixou-me angustiada e a devorar páginas seguidas fazendo figas para que no final pudesse respirar de alívio. O que faria eu se tivesse naquela situação? Que opção tomar? Deveria contar ao meu companheiro o que se passava, não seria automaticamente rotulada de «doente psiquiátrica»?

Holly acabou por se revelar uma grande mulher e, acima de tudo, uma MÃE na verdadeira acepção da palavra. O final? É contra os meus princípios dizer seja o que for, este é um daqueles livros que facilmente se lê mais do que uma vez, seja porque teve um final feliz… ou porque simplesmente gostamos de recordar as nossas expetativas antes de ler o parágrafo final!

Relativamente à escrita da autora, adorei, é uma escrita clara que não se lê, devora, fazendo-me ficar de olho nas próximas publicações da autora.

Recomendo a sua leitura em dias amenos de Outono ou Primavera, em especial ao ar livre sentindo o cheiro da relva acabada de cortar ou de terra molhada depois de um aguaceiro!

Sem comentários:

Enviar um comentário