Crónicas de uma Leitora: "Mulheres de vida apaixonada"

sábado, 1 de setembro de 2012

"Mulheres de vida apaixonada"





Título: Mulheres de vida apaixonada - tudo por um sonho
Autora: Maria Pilar Queralt Del Hierro, tradução de Regina Louro
Editora: Editorial Presença
Edição: 1ª edição, Lisboa, Novembro 2011
Páginas: 251


Sinopse: A autora reuniu neste livro uma seleção de biografias de mulheres que se destacaram pelas suas vidas excepcionais. Motivadas por um ideal que abraçaram com verdadeira paixão, fosse este de natureza amorosa, de cariz político, religioso ou um ideal que assumiram como missão, entraram de forma inevitável em rotura com as convenções sociais, quer porque aquilo que se propunham atingir era vedado à sua condição feminina, que porque desafiavam abertamente os poderes estabelecidos que têm sido privilégio dos homens. Pelas páginas deste livro desfilam muitas dessas heroínas que puseram os seus ideais acima da própria vida, enfrentando um destino trágico: desde a remota Antiguidade até ao século XX, são figuras tão diversas como Agripina, Hipácia de Alexandria, Cleópatra, Inês de Castro, Joana d'Arc, Olympe de Gouge, Leonor de Távora, Isadora Duncan, Rosa Luxemburgo, Eva Braun, Diana de Gales, entre tantas outras. Ao debruçar-se sobre a biografia de cada uma destas mulheres, Maria Pilar Queralt Del Hierro oferece-nos uma visão abrangente da condição feminina e da sua evolução ao longo da História.

Opinião: Como apaixonada pela história, seja ela portuguesa ou estrangeira, quando vi este título numa das muitas Feiras de Livro que quando posso sempre visito não resisti em comprá-la. Logo, à partida, sabia que não me iria arrepender. Ao folhear as primeiras páginas senti-me levada para outros tempos, imaginando-me mesmo a viver o estado social destas figuras femininas que deixaram a sua marca na história pelos mais variados motivos. Quase todas elas tiveram um final trágico, porque como já se sabe, quem pensa ou age de forma diferente ou contra o que está consagrado pela maioria tem de enfrentar as consequências. Se no passado havia casos bem horrendos, porque quem tivesse a ousadia de se impor e dizer não era logo perseguido, ainda hoje isso acontece. Eu sou uma pessoa que me enquadro perfeitamente neste papel, porque como revolucionária assumida, tento levar sempre as minhas causas para a frente e, tal como essas figuras marcantes da história, assumo que não tenho medo do que possam dizer ou pensar. Claro que, agora, as mentalidades são diferentes, tal como a própria conjectura social.
Através deste livro pude constatar que, de facto, o amor e a fé movem montanhas e, quando estamos imbuídos destes sentimentos, a luta pelos nossos ideiais e sonhos fica mais fácil. Por vezes, os obstáculos são duros mas com força e determinação somos capazes de os alcançar ou, pelo menos, dizer que tentamos. Com uma retrospectiva pela história, desde a Antiguidade até ao século XX, esta escritora espanhola, autora do bestseller Inês de Castro (livro que também está nas minhas estantes), compilou a história, as dificuldades, vitórias, amarguras vividas por muitas mulheres cuja marca na história ninguém apagará. Movidos pelos seus ideiais, de natureza amorosa, religiosa, política ou até como missão de vida, romperam com os estigmas e causaram mossa a uma sociedade fechada e onde o sexo feminino teria de travar muitas batalhas para conquistar o seu lugar.
Na memória ficou-me a vida de Cleópatra, para mim uma figura fascinante - sou suspeita, porque adoro o Egipto e toda a sua história - considerada por muitos como alguém que apenas se preocupava com as aparências mas que, bem lá no fundo, era inteligente e culta. Também me impressinou a história de Joana d'Arc, considerada um dos símbolos de França, que com uma força descomunal derrubou barreiras e lutou, mesmo em campo, pelos seus ideais. Eva Braun que amou verdadeiramente Hitler, um dos homens mais odiados do mundo, e este com ele até ao último suspiro. Também Inês de Castro é outras das figuras incontornáveis da história portuguesa, movida sempre pelo amor mais puro e verdadeiro, cujo final foi trágico, tal como Indira Gandhi, que tentou fazer da Índia um país moderno, o que acabaria por lhe custar a própria vida. Outras mais poderia aqui falar mas nada melhor do que o leitor pegar no livro e deixar-se transportar por toda esta narrativa extrordinária e cativante, retirando daí as suas próprias ilações. Vão ver que não se arrependem e, então, se adoram história vão ficar mesmo fascinados, tal como eu fiquei.

Susana Cardoso

2 comentários:

  1. Por acaso este livro nunca me chamou a atenção, mas estou a ver que gostaste muito dele! Agora estou curiosa :p

    bjs*

    ResponderEliminar
  2. É muito bom :-) aconselho vivamente a leres...é de facil leitura e apetece nos devorar tudo de uma ponta à outra, sobretudo para quem, como eu, adora historia :-)
    Beijinhos

    ResponderEliminar