Crónicas de uma Leitora: Entrevista a Sara Farinha

sábado, 15 de setembro de 2012

Entrevista a Sara Farinha


Depois de ter lido o livro Percepção - uma estranha realidade, fiquei com algumas perguntas a pairar, daí decidi tirar as minhas dúvidas e entrevistar a sua autora Sara Farinha. Eis o que ela nos contou...

Pode-nos contar um pouco mais sobre si.
Nascida e criada em Lisboa, adoro as artes como forma de expressão pessoal, as viagens curtas ou longas, em distância e permanência, e o convívio com aqueles que me acompanham nesta existência.
Sou alguém que acredita que quando há vontade encontra-se maneira; que é sempre possível fazer melhor; que não desiste quando as dificuldades se amontoam; que racionalidade e imaginação estão intimamente ligadas; que acredita em valores orientadores; que reflecte exaustivamente sobre o que a rodeia; e que é uma apaixonada pelos temas humanos.
Sou alguém que procura sempre fazer o melhor que pode com aquilo que tem, mas que se esforça por ter mais para poder fazer sempre melhor.

Como uma jovem autora portuguesa qual foi a aceitação que teve com o nosso público?
Temos, por esse mundo fora, um público espantoso. Empreendedores, amantes dos livros, desejosos de contribuir, conhecedores e preocupados com os temas que caracterizam este meio, todos eles contribuem de forma inequívoca para a divulgação dos novos autores portugueses.
Quando encarei com seriedade a publicação de ‘Percepção’, deparei-me com um universo formado por pessoas interessadas e atentas, que vêem naquilo que consideram ser os seus hobbies uma forma de ajudar e incentivar a leitura e os novos autores no nosso país. Fui recebida com simpatia e espírito crítico, com um ‘bem-vinda’ e um ‘não desistas’, ainda hoje me espanta aquilo que conseguimos fazer se estivermos realmente empenhados.

Qual a sua maior inspiração para esta obra?
O constante conflito humano entre Ciência e Paranormal. A ideia original proveio de um texto esotérico que descrevia a influência de algumas pessoas sobre outras, caracterizando-os como predadores das emoções alheias. Esse texto e a minha educação, assente na Ciência e no conhecimento científico, foram a centelha que gerou este livro. O conflito entre Ciência e Paranormal proporcionou a mistura do Cepticismo com a Crença e ‘Percepção’ foi o resultado dessa batalha.

Porquê percepção? Acredita que haja quem tenha uma maior percepção das coisas?
A escolha de percepção deveu-se à minha vontade de misturar o real e o imaginário, de criar uma história num universo temático capaz de cativar qualquer pessoa que sinta algum fascínio pelo paranormal.
A definição de percepção passa pela forma como cada ser encara o que o rodeia. Falar em maior ou menor percepção do mundo é algo estranho, pois seria o mesmo que perguntar se há alguém que seja mais feliz do que os restantes. Ou seja, tudo é relativo.
Acredito que a nossa personalidade, experiência e meio envolvente determinam a informação sensorial que recebemos dos outros e que a adequação da informação recebida é muito importante para as relações entre as pessoas. Noventa e nove porcento das vezes não assimilamos aquilo que é dito mas interpretamos essa informação baseada naquilo que conhecemos e respondemos de acordo com isso. Percepcionamos o que se pretende e respondemos (ou tentamos) de acordo.

Identifica-se de alguma maneira com a protagonista?
Sim. Usei nesta história algumas coisas que me agradam particularmente, como o ambiente londrino, Camden Town e o British Museum. Para além disto, a personagem principal é uma jovem mulher, com uma paixão por poesia e museus, que enfrenta uma viagem de auto-conhecimento profundo. Todos estes são elementos com os quais me relaciono.

O fim deixou muitas coisas em aberto. Para quando a continuação?
A informação que tenho recebido dos vários leitores demonstra que há interesse em ler a continuação desta história. Apesar dos incentivos ainda não decidi quando voltarei ao universo de ‘Percepção’. Para já, pretendo acompanhar de perto os resultados deste primeiro livro e esperar que ele atinja os objectivos fixados.
Não ponho de parte a ideia de escrever um segundo volume, mas a sua publicação é um outro tema que deve ser cuidadosamente ponderado.
Entretanto, usei este universo de ‘Percepção’ num dos Contos que escrevi no âmbito do desafio literário ’12 Meses/12 Contos’, a decorrer no meu blogue.


Agradeço imenso à Sara Farinha e à sua editora Alfarroba Edições pela disponibilidade e simpatia.

Sem comentários:

Enviar um comentário